PUBLICIDADE
Notícias

Com medo de morrer, ex-deputada da Venezuela apela ao Brasil

00:30 | 09/04/2014
Em jantar com parlamentares brasileiros há poucos dias em Brasília, a deputada cassada na Venezuela María Corina Machado revelou que só não foi presa ainda a mando do presidente Nicolas Maduro porque ele teme o Brasil e pela pressão internacional sobre seu caso. Membros da Comissão de Relações Exteriores da Câmara preparam viagem a Caracas, a fim de cobrar uma explicação do presidente da Assembleia Nacional, que a cassou numa canetada, e agora quer retirar-lhe a cidadania venezuelana.

Toca dos refugiados

O jantar ocorreu na casa do advogado Fernando Tibúrcio, que já ajuda no Brasil o senador boliviano Roger Molina, que tenta refúgio no Ministério da Justiça.

Tirania é isso aí

Corina foi cassada porque discursou em assembleia da OEA em Washington mês passado, na vaga de um embaixador do Panamá, e criticou a situação de seu país.

Desculpa esfarrapada

Diosdado Cabello, presidente da Assembleia e Chavizta, alegou que Corina não poderia ter representado a Assembleia na reunião da OEA e a cassou. Mas ela não representou.

Battisti & Pizzolatto
Advogados das partes acompanham atentos os casos: Há uma ação do MP Federal no Rio que pede a anulação do refúgio concedido pelo então presidente Lula ao italiano Cesare Battisti. Se avançar e o STF acolher, ela abre caminho para que o mensaleiro Henrique Pizzolatto seja deportado e preso no Brasil, em troca do envio de Battisti.

Aliás

O caso de Pizzolatto na Justiça italiana será demorado, por causa do generoso código de processo penal italiano – alguma semelhança com o daqui? – por ser pego com passaporte falso. Enquanto isso, a PF rastreia o dinheiro que o petista lavou no exterior.

Longe das tietes

Sem bases aéreas militares em todas as 12 cidades sedes, algumas seleções da Copa vão desembarcar nos aeroportos, mas com slots programados e fingers exclusivos, com saída especial e escolta policial. Longe, portanto, dos fãs.

Lembrete
Para quem reclama do SUS: a ONG Médicos Sem Fronteiras atende a 6 mil pessoas acampadas no entorno de um hospital em Goré, no Senegal, refugiados de guerras civis.

Poder as água$
O BNDES vai financiar US$ 1,1 bilhão para construção da hidrelétrica Tumarín, promessa de... Daniel Ortega, na Nicarágua. A obra é da Queiroz Galvão.

Vistas grossas
Deve-se repetir com autoridades aeronáuticas da Malásia a punição que houve com militares no caso do acidente com o Boeing da Gol e o Legacy em 2006. O porta-voz das Forças Armadas de lá admitiu que foi detectado no radar objeto não reconhecido se movendo em direção ao Ocenao Índico, fora da rota, mas nada fizeram.

Festa no cofre..

O governador Beto Richa, do Paraná, comemora a liberação de R$ 817 milhões do ProInveste para o Estado, por decisão do STF. Alega perseguição, porque o caso passou pelo Palácio do Planalto e pela então ministra Gleisi Hoffmann, sua futura adversária..

..e puxão de orelhas
Segundo o Tesouro Nacional, o órgão cumpre ‘rigorosamente a liminar’ expedida pelo STF, mas afirma que o empréstimo não foi concedido porque o Paraná ‘descumpre o limite mínimo de pagamento com saúde’. Com a palavra, o governo. E a briga segue.

Surreal capixaba
Vitória nem será sede da Copa, mas abusa nos preços porque receberá as seleções da Austrália e Camarões na preparação. Uma suíte single no hotel Sheraton, que hospedará os africanos, custa US$ 600 a diária. Uma latinha de RedBull, R$ 25.

Dor de barriga
A 40km da capital capixaba, o balneário de Guarapari faz feio se os turistas quiserem passear. A moqueca para duas pessoas sai por R$ 180. O táxi entre praias a R$ 25

Michelle & Dilma
A presidente chilena Michelle Bachelet virá a Brasília na primeira viagem, de volta ao cargo. Pediu ao ex-embaixador no Brasil Heraldo Muñoz que organize a agenda.

Ponto Final
O Nicolas Maduro precisa... amadurecer seu governo.

Com Luana Lopes e Equipe DF e SP

TAGS