PUBLICIDADE
Notícias

Em Mundaú, estudantes fixam placas em praia para alertar sobre risco de afogamento

Ato aconteceu nesta terça-feira, 22, em homenagem à morte de adolescente por afogamento na praia de Mundaú, há duas semanas

17:26 | 22/08/2017
Alunos, professore e familiares da vítima na praia de Mundaú, em Trairi
Alunos, professore e familiares da vítima na praia de Mundaú, em Trairi
[FOTO1]Estudantes da Escola de Ensino Médio Padre Rodolfo Ferreira da Cunha realizaram ato na praia de Mundaú, em Trairi, na manhã desta terça-feira, 22, em homenagem ao aluno Guilherme Vinicius Rodrigues de Lima, que morreu aos 15 anos após se afogar no estuário do rio Mundaú no último dia 11. Durante o ato, foram fixadas placas a fim de alertar banhistas para o risco de afogamentos.

Segundo Célio Alves, coordenador e professor da escola, a região do estuário, que é onde o rio desemboca no mar, apresenta correntezas e redemoinhos, o que seria um risco para pessoas desavisadas, sobretudo turistas que visitam o local. “Existe uma incidência de afogamento muito grande. O poder público não disponibiliza nenhuma placa ou um servidor, socorrista, especialista em primeiros socorros”, afirma Célio.

[FOTO2] O coordenador ainda afirmou que, segundo um pescador que não quis se identificar, a comunidade local retira as placas improvisadas, instaladas após algum caso de afogamento, porque a sinalização “atrapalharia” o turismo.

O Corpo de Bombeiros Militar do Ceará informou que não realiza prevenção e salvamento aquático em Trairi, e que reforços são enviados de acordo com a necessidade e a alta demanda, como nos feriadões de Carnaval e Semana Santa.

A assessoria da prefeitura de Trairi não soube informar se há projetos que contemplem sinalização ou medidas de prevenção de afogamento na região do estuário e nas demais do litoral do município.

Estatísticas
Segundo o Corpo de Bombeiros, foram registrados dez afogamentos fatais no Ceará entre janeiro e julho deste ano. No mesmo período do ano passado, foram registrados 28 afogamentos fatais. Em todo 2016, os bombeiros registraram 51 afogamentos fatais no Estado. Sobre as estatísticas de Trairi, a assessoria do órgão informou que os dados recebidos sobre afogamentos não informam a localidade ou o meio (rio, mar, açude, etc) onde ocorreu o acidente.

Cuidados
Para prevenir afogamentos, os bombeiros aconselham a nadar sempre em companhia de outras pessoas e ter uma espécie de flutuador por perto para ser utilizado como socorro, em caso de acidentes.

A corporação indica evitar nadar em áreas próximas de onde um rio deságua no mar, de pilares de plataformas de pesca, pontes e ancoradouros. Caso a vítima entre numa corrente marinha (corrente de retorno, que puxa para dentro do mar) e não consiga sair, deve-se chamar por socorro e nadar diagonalmente no sentido da corrente ou paralelamente à faixa de areia, até sair da corrente.

Os bombeiros também aconselham não ingerir bebidas alcoólicas e alimentos "pesados" antes e durante o banho, e alertam para o cuidado redobrado com crianças, mesmo em águas rasas.

Em situações de afogamento, os bombeiros informam que deve-se chamar por socorro e tentar jogar um objeto flutuante para a vítima. Após acalmá-la, se possível, levar a vítima para a faixa de areia. Os bombeiros também lembram que o socorro a um afogado só deve ser realizado por quem possui conhecimento de técnicas de salvamento aquático.
TAGS