PUBLICIDADE
Notícias

"Fenômeno" de jato de água e vapor quente é registrado em Maranguape

O caso será analisado o mais breve possível, mas a chuvas dessa quinta-feira, 23, podem atrasar a visita ao local. A Defesa Civil descarta a possibilidade da fenda ter erupções vulcânicas

11:05 | 23/03/2017
NULL
NULL

[FOTO1]Uma fenda de água e vapor quente foi registrada em uma Área de Proteção Ambiental (APA) da serra de Maranguape, gerando curiosidade entre os moradores. O fenômeno será investigado por uma equipe de geólogos, mas a Defesa Civil alerta que não há motivos para pânico.

Nas redes sociais, a fenda está sendo chamada de "minivulcão", com a especulação de que é possível até "cozinhar um ovo" no local.  A fumaça da fenda possui odor forte, segundo as pessoas da gravação, mas não há informações sobre efeitos danosos à saúde humana.

Gerente de sismologia da Defesa Civil do Ceará, Francisco das Chagas Brandão explica que as chuvas desta quinta-feira, 23, podem atrasar a verificação do fenômeno. "Estamos em contato com o coordenador da Defesa Civil do município, mas como é um terreno muito íngreme e choveu muito, vamos ver se será possível ainda hoje", frisa.

Brandão destaca que o fenômeno será analisado o mais breve possível, mas a recomendação é para a população não espalhar boatos sobre "erupções vulcânicas". "Isso de vulcão não existe aqui, a coisa tomou enorme dimensão", disse.

No vídeo que tornou o fenômeno de Maranguape conhecido, um morador cita que o sítio pertence à Fundação Mata Atlântica.

[VIDEO1] 

Possibilidade
De acordo com Brandão, a fenda pode ter sido ocasionada pela movimentação de terra no local devido à pressão. "O fato de estarmos no centro da placa sul-americana não nos deixa livres disso, a natureza é pródiga em relação a isso. O gêiser (fonte termal que jorra jatos de água ou vapor em intervalos regular) só ocorre em regiões da Islândia e Japão, mas no Brasil há locais com águas termais", explica.

O gerente de sismologia da Defesa Civil conta que presenciou fenômeno semelhante em Massapê. "Encontramos algo assim na instalação sismológica de lá, mas foi algo pontual e nunca mais ouvimos falar", completa.

 

TAGS