PUBLICIDADE
Notícias

Homens confessam autoria de triplo homicídio em Horizonte

Durante investigação, que durou quatro dias, a dupla confessou ter roubado, abusado sexualmente e matado três mulheres na última sexta-feira

18:09 | 02/06/2014
Depois de três interrogatórios, os dois acusados do triplo homicídio de Horizonte, na Região Metropolitana de Fortaleza, confessaram a autoria do crime. As vítimas, todas mulheres, foram encontradas mortas na última sexta-feira, 30, com lesões de agressões a pauladas e golpes de facas.

O delegado resonsável pela investigação do caso, Kim Barreto, disse que, na manhã desta segunda-feira, 2, Diego Gonçalves, de 25 anos, e Roni Gomes Leandro de Oliveira, de 20 anos, levaram os inspetores de polícia até o local onde eles haviam escondido as armas e as roupas sujas com o sangue das vítimas após o crime. O material estava escondido em uma cacimba próxima ao local onde os corpos foram encontados. 

Segundo o delegado, "houve indício confirmado" de violência sexual contra as três moças, de 18, 17 e 35 anos. As investigações, que duraram quatro dias, concluíram que os dois criminosos assaltaram as jovens, abusaram sexualmente e mataram-nas. "É um crime com requintes de crueldade, sem dúvidas", diz o delegado. 

[SAIBAMAIS 2] Diego e Roni moram em um abrigo religioso que fica em frente ao matagal onde a vítimas foram encontradas. No local vivem outros cinco homens, todos ex-detentos, que também passaram por exames e prestaram depoimento à Polícia, mas foram liberados  em seguida. No momento do crime, segundo Kim, os cinco homens estavam participando de um culto religioso, em uma localidade próxima de Horizonte. 

Investigação
"Nossa maior dificuldade foi a falta de testemunhas", conta o delegado. "Ninguém viu ou ouviu nada". Todavia, uma pessoa que mora próximo à casa de Diego e Roni observou o momento em que as mulheres passaram em frente ao abrigo religioso e os dois acusados olharam "de forma suspeita". 

As vítimas, Cristiele Costa de Sousa, Maria Janaísa dos Santos Nunes e Márcia dos Santos Alves trabalhavam em uma ótica no município de Pacajus. Um veículo da empresa pegava a mulheres de manhã e as deixava de volta no fim da tarde. A Polícia foi acionada após o motorista da empresa não encontrar as jovens, na sexta de manhã. O abrigo religioso que os homens moram é próximo ao terreno onde as vítimas foram encontradas mortas e era ali perto, também, onde elas esperavam o transporte da empresa. 

Diego já havia respondido por dois assaltos a mão armada e tinha um mandado de prisão em aberto; Roni há havia respondido por homicídio qualificado. Os dois estão presos preventivamente e aguardam julgamento, quando vão responder por latrocínio e estupro.  O caso foi encerrado nesta segunda. 

Camila Holanda

TAGS