PUBLICIDADE
NOTÍCIA

Cearense Keron Ravach é a vítima de transfeminicídio mais jovem do Brasil desde 2017

Relatório divulgado pela Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra) indica que as vítimas de assassinatos estão se tornando mais jovens, sendo mortas com maior violência

Leonardo Maia
22:35 | 07/07/2021
Keron Ravache vítima de espancamento tinha 13 anos
 (Foto: arquivo pessoal )
Keron Ravache vítima de espancamento tinha 13 anos (Foto: arquivo pessoal )

O Ceará registrou a vítima mais jovem assassinada por transfeminicídio no Brasil desde 2017, conforme relatório da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra). Keron Ravach foi espancada até a morte na cidade de Camocim, Interior do Ceará, no dia 4 de janeiro deste ano. Ela foi encontrada com as mãos amarradas e sinais de violência em um terreno baldio no município.

O jovem responsável pela morte de Keron também é um adolescente, de 17 anos. A Justiça aplicou sentença de internação para ele por tempo indeterminado como medida socioeducativa. No entanto, ele ficará internado, no máximo, até 2024. O artigo nº 121 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) garante que a internação dure até três anos, ainda que a sentença não defina esse período.

LEIA TAMBÉM | Adolescente de 13 anos espancada até a morte sonhava em ser digital influencer

De acordo com os dados da Antra, os dados do primeiro semestre de 2021 indicam que assassinatos contra pessoas trans estão acontecendo mais precocemente, com vítimas cada vez mais jovens e com maior violência. A associação considera que um dos motivos para isso é o acirramento das vulnerabilidade desse público, em decorrência do impacto da pandemia.

“As pessoas trans continuam invisibilizadas para as políticas públicas, onde o estado tem falhado miseravelmente na proteção e na garantia da vida dessas pessoas”, pondera a Antra no relatório. A associação aponta que a dinâmica do assassinato de pessoas trans não segue o padrão de homicídios em geral e critica a ausência de dados governamentais.

No total, 80 pessoas trans foram vítimas de assassinatos no Brasil e outras 33 sofreram tentativa de homicídio no primeiro semestre de 2021. No ano passado, foram registrados 175 casos de assassinatos. “Temos algumas questões que precisam ser respondidas, dentre elas o fato de ter aumentado o número de assassinatos no período mais duro da pandemia e se houveram iniciativas importantes ou ações advindas dos governos municipais, estaduais e federais a respeito do enfrentamento da violência”, considera a associação no documento.

No primeiro semestre deste ano também foram registradas pelo menos 27 violações de direitos humanos de travestis e demais pessoas trans. A associação aponta que a sociedade não demonstra respeito com as pessoas trans, que continuam tendo seus direitos básicos violados. “(A sociedade) tem a intenção de negar o espaço público às pessoas trans, mas também impedir a naturalização de nossos corpos e das relações e interações sociais com outros grupos”, considera.

>> Leia a íntegra do relatório da Antra:  Clique aqui para baixar o PDF.