PUBLICIDADE
Notícias

Polícia recebe denúncia de assalto a banco e prende grupo em Banabuiú

16:14 | 13/02/2014
Quatro homens foram presos na madrugada desta quinta-feira, 13, com munições importadas de calibre 9 milímetros, de uso restrito. Segundo a Polícia, o grupo planejava atacar uma agência bancária em Banabuiú, a 225 km de Fortaleza. 

Foram presos os cearenses Nilton Sérgio Cavalcante Alves, 38, e Bruno Victor Freire de Araújo, 22 (já responde por crime de trânsito e furto de veículo); o paulista Idevânio Xavier Martins, 31, e o roraimense Júnior Mesquita Lima, 35, conhecido como "Júnior Escovinha" (responde por porte ilegal de arma, entre outros crimes).

Todos possuem antecedentes criminais. Não há confirmação sobre participações anteriores em roubos a banco. 

"A munição apreendida é importada, não fabricada no Brasil, e de uso restrito. Cápsulas desse mesmo calibre já foram localizadas em outras ocorrências de roubo a banco no Estado", explica o delegado adjunto da Delegacia de Roubos e Furtos (DRF), Eduardo Tomé. 

Denúncia anônima
De acordo com o titular da DRF, Raphael Vilarinho, na tarde de quarta-feira, a Polícia recebeu uma denúncia anônima de que a agência bancária de Banabuiú seria atacada.

Equipes foram deslocadas e, em diligência, localizaram dois veículos modelo Gol em uma estrada carroçável no distrito de Pedra Branca, por volta de 23 horas de ontem. Os ocupantes do Gol branco conseguiram fugir. No carro preto, além dos quatro homens presos, a Polícia apreendeu as munições de uso restrito. 

Segundo o delegado titular, não foi localizado material explosivo ou vestígio de pólvora, que poderiam apontar para uma possível tentativa de explosão da agência. 

Os quatro foram autuados em flagrante por formação de quadrilha (artigo 288 do codigo penal) e por transporte de arma de fogo de uso restrito (artigo 16 do estatuto do desarmamento - lei 10.826). 

"Eles respondem a crimes em São Paulo, Roraima e no estado do Ceará também. Estamos investigando se eles estão envolvidos em assaltos a banco ou não. A prisão foi o pontapé inicial, o trabalho de investigação está prosseguindo", afirma Vilarinho.
 
O titular explicou ainda que a DRF está trocando informações com a Polícia de outros estados e fazendo levantamento de inteligência dentro da própria delegacia pra ver se eles têm envolvimento em inquéritos instalados no passado. 

Casos recorrentes
Vilarinho afirma que, em decorrência dos frequentes assaltos a banco que estão acontecendo em todo o Brasil, um congressos sobre o assunto será realizado em Brasília no próximo mês. "Quremos estreitar relações entre os delegados e as Polícias de todos os estados, Civil, Militar e até a Federal, para fazer um combate firme e trocar informações", afirmou o titular da DRF.

 

Redação O POVO Online
 

TAGS