Logo O POVO+

Jornalismo, cultura e histórias em um só multistreaming.

Participamos do

Prefeito diz que empresários não poderão mais intervir em dunas de Aquiraz

Após intervenção ambientalmente irregular realizada na última semana, a gestão municipal tenta refazer a duna e amenizar o dano causado pela empresa privada. O empreendimento defende que não compactua com ações que possam afetar os bens protegidos ou o meio ambiente

A multa de R$ 80 mil cobrada do condomínio Aquiraz Riviera pela Prefeitura de Aquiraz será usada para fazer a sinalização do passeio de buggy no município. Em entrevista à Rádio O POVO CBN nesta sexta-feira, 11, o prefeito Bruno Gonçalves (PL) considerou a intervenção irregular nas dunas da Lagoa do Catu como “brutalidade” e disse que os empresários locais não poderão intervir mais nos bens naturais durante sua gestão.

Gonçalves explicou que a gestão municipal está tentando refazer a duna e reverter o dano causado por máquinas da empresa privada. Ele relatou ainda que o serviço foi realizado um dia antes do programado com a prefeitura e sem supervisão dos técnicos de meio ambiente. “Não sei se foi com maldade, mas isso está sendo investigado”, ressaltou.

LEIA MAIS | Ceará precisa de maior monitoramento do encalhe de tartarugas, dizem especialistas

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

O motivo da intervenção no local seria para fazer a cobertura de canos de drenagem do condomínio. “Todo ano o vento tira a areia de cima dos canos e eles ficam expostos. Se o buggy passar, pode quebrar e derramar dejetos na duna, o que é muito pior”, esclarece o gestor sobre o serviço que seria realizado.

Em nota enviada ao O POVO nessa quarta-feira, 9, o Aquiraz Riviera lamentou o ocorrido e disse "não compactuar com qualquer irregularidade, muito menos ações que possam afetar os bens protegidos ou o meio ambiente". A empresa disse que estava dando apoio à Cagece. "Por um erro de comunicação interna pelo qual pedimos desculpas, a intervenção no local foi iniciada sem a presença de representantes dos órgãos ambientais municipais, ainda que tivéssemos a anuência verbal", explica.

Durante a entrevista, Bruno também se defendeu da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) deflagrada na última quarta-feira, 9, para investigar as ações da gestão no combate ao coronavírus. Ele disse que a criação de CPIs virou “chacota” após o início da que transcorre no Senado Federal. “Hoje todo mundo se sente no direito de fazer uma CPI do Covid, mas eu tenho certeza que estamos dando aula no combate à Covid-19”, ressaltou.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar