PUBLICIDADE
Ceará
NOTÍCIA

Morre o advogado Clayton Marinho, aos 78 anos, vítima da Covid-19

Natural de Fortaleza, Clayton se formou em Direito na UFC em 1966. Ele estava internado há algum tempo e teve complicações da doença causada pelo coronavírus

Lais Oliveira
09:27 | 06/04/2021
Morreu advogado Clayton Marinho. (Foto: Reprodução/Facebook)
Morreu advogado Clayton Marinho. (Foto: Reprodução/Facebook)

Morreu nesta terça-feira, 6, o advogado Clayton Marinho, vítima da Covid-19, aos 78 anos. Ele estava internado há algum tempo e teve complicações da doença causada pelo coronavírus. A informação foi divulgada pelo também advogado e reitor da Universidade Federal do Ceará (UFC) Cândido Albuquerque. Natural de Fortaleza, Clayton se formou em Direito na UFC em 1966. 

"Hoje é um dia de luto para a advocacia: faleceu o guerreiro do Direito Clayton Marinho! Advogado intrépido, inteligente e educado, advogava por arte e amor ao Direito. Um exemplo! Deixa um legado e uma vida repleta de grandes gestos como referência para as novas gerações, e para nós, que tivemos a felicidade de com ele conviver, deixa a certeza de que vale a pena combater o bom combate", escreveu Cândido.

Leandro Vasques, advogado e diretor da Academia Cearense de Direito, também manifestou pesar pela morte de Clayton. "Me lapidou por longos e venturosos 14 anos para eu exercer a mais bela das profissões liberais: a advocacia. Neste ano completo 26 anos de graduado dos quais, a ampla maioria deles, foram construídos sob os auspícios desse combativo e modelar profissional. Imortais e infinitas foram as lições de ética, de bravura e altivez que recebi do mestre Clayton", publicou em uma rede social.

A advogada e professora de Direito da Universidade de Fortaleza (Unifor) Roberta Vasques descreve Clayton como "um grande ícone da advocacia cearense". "Um dos melhores advogados que nós tínhamos. Um grande criminalista. Ele tinha o dom da oratória. A advocacia está em luto pela grandeza desse homem. Era um gênio e foi uma vítima de Covid-19. Apesar da idade, ele era muito ativo", destaca ao O POVO.