PUBLICIDADE
Ceará
NOTÍCIA

Em 2020, mais de 400 registros de pessoas desaparecidas no Ceará

Um dos que estão entre os 89% casos solucionados é o de uma mulher de 28 anos que estava desaparecida desde dezembro de 2020 e foi encontrada no Mato Grosso

09:20 | 08/03/2021

Uma mulher de 28 anos, moradora da cidade de Itaitinga, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), desaparecida desde 16 de dezembro de 2020, foi localizada em uma casa no município de Nova Mutum, no Mato Grosso (MT). Ela estava desaparecida desde o fim do ano passado, quando saiu da residência da mãe, no município, para resolver um problema em um banco e não retornou. Em 2020, o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) registrou  438 desaparecimentos e em 89% dos casos as pessoas foram encontradas com vida. 

Segundo o DHPP, a mulher foi encontrada no bairro Jardim Europa, na cidade, com a ajuda da Polícia Civil do estado mato-grossense. De acordo com a Polícia, familiares tentaram entrar em contato pelo celular da mulher, mas o aparelho dava somente sinal de desligado. Em investigações, o DHPP descobriu que a jovem pediu o cartão de crédito do padrasto emprestado e comprou uma passagem aérea ara o Mato Grosso no mesmo dia em que desapareceu. Após a divulgação da imagem e dos dados da vítima, os agentes do Mato Grosso receberam informações sobre a localização da mulher, que viveria em um sítio na zona rural de Nova Mutum (MT).

As informações foram repassadas para os policiais civis do município, que foram até o local, mas a vítima não foi encontrada. Os policiais, no entanto, receberam outro informe de onde a vítima estava morando. Desta vez, seria uma residência no bairro Jardim Europa, ainda em Nova Mutum. Lá, ela finalmente foi localizada.

LEIA MAIS| Polícia Civil encontra adolescente desaparecida após troca de informações entre delegacias

Encontrada viva empresária desaparecida há 3 dias em Maracanaú

Questionada sobre o ocorrido, a jovem disse que estava bem e morando na cidade por vontade própria. Os policiais orientaram que ela procurasse a família para dar informações sobre o seu paradeiro. Depois de verificadas as boas condições de saúde e ausência de risco para ela, os agentes mato-grossenses comunicaram as equipes da Polícia Civil do Ceará sobre a localização da mulher. Os familiares dela foram informados da localização e sobre estado de saúde.

Tipos de desaparecimento


A delegada responsável pelos casos de desaparecimento que chegam ao DHPP, Arlete Silveira, explicou que o caso é comum e se enquadra em um dos tipos de desaparecimento. O chamado “desaparecimento voluntário”.

A delegada explicou ainda que existem três tipos de desaparecimento: o voluntário – quando a pessoa se afasta por vontade própria e sem avisar. Isso pode acontecer por motivos diversos: desentendimentos, medo, aflição, choque de visões, planos de vida diferentes, dentre outras razões; o involuntário – quando a pessoa é afastada do cotidiano por um evento sobre o qual não tem controle, como, por exemplo, um acidente, um problema de saúde, um desastre natural e, por fim, o forçado – quando outras pessoas provocam o afastamento, sem a concordância da vítima. Entre os casos registrados, as principais motivações são problemas familiares, a relação com drogas ilícitas, problemas amorosos e depressão.

Perfil do desaparecido


Em 2020, a 12ª Delegacia do DHPP realizou investigações de 438 casos de desaparecimento. Em 50,6% (222 casos) dos registros é formado por jovens entre 12 e 29 anos. De um total de 438 registros, a 12ª Delegacia conseguiu elucidar 354 casos, ou seja, cerca de 80%. Ao todo, 89,2% dos casos são de pessoas encontradas com vida.

A criação da delegacia tornou possível um estudo maior sobre a temática. Por meio do acompanhamento da especializada foi possível conhecer os dias e os horários que possuem maior incidência de desaparecimentos. Sábado é o dia que apresenta o maior número de registros. Foram contabilizados 85 casos, o que representa 19,4%. Em seguida, vem as segundas e terças-feiras, que registram 74 e 69 casos, 16,8% e 15,7%, respectivamente. Os dias com menor registro desse tipo de ocorrência são as quartas e quintas-feiras, com 44 registros cada, o que equivale a 10% dos casos. A maior parte dos desaparecimentos ocorre durante o dia, sendo o período da tarde – de meio dia às 17h59min – o horário de pico, com 141 registros, o que equivale a 32,1% dos casos.

Registro de ocorrência


No Ceará, o boletim de ocorrência pode ser registrado em qualquer unidade policial da Polícia Civil. Os casos registrados em Fortaleza ficam sob a responsabilidade da delegacia especializada. Já os casos registrados na Região Metropolitana e nos demais municípios do Estado ficam sob a responsabilidade das delegacias que atuam na área do desaparecimento.

Assim como é importante o registro do desaparecimento, é fundamental que os casos de encontro de pessoas sejam reportados à Polícia. Esse fluxo de informações serve para fins de análise dos casos e formulação de uma política pública de prevenção ao desaparecimento de pessoas.