PUBLICIDADE
Ceará
NOTÍCIA

De volta ao mar: cinco peixes-bois estão em cativeiro de soltura no Ceará

Cativeiro no Icapuí é pioneiro neste tipo de processo envolvendo peixes-bois. Com sua capacidade máxima atingida, o próximo passo é aguardar a soltura definitiva ao mar

Matheus Facundo
20:37 | 10/12/2020
Processo de translocação iniciou na quarta e se estendeu até esta quinta-feira no início da manhã com biológos, veterinários, voluntários e efetivos da PM e Corpo de Bombeiros (Foto: Matheus Facundo/O POVO)
Processo de translocação iniciou na quarta e se estendeu até esta quinta-feira no início da manhã com biológos, veterinários, voluntários e efetivos da PM e Corpo de Bombeiros (Foto: Matheus Facundo/O POVO)

No Ceará, estado que mais apresenta encalhe de peixes-bois marinhos filhotes, o Centro de Reabilitação de Mamíferos Marinhos, em Caucaia, gerido pelo Projeto Manatí da ONG Aquasis, abriga esses animais e os prepara para a voltar ao mar. Nesta quinta-feira, 10, a terceira fase do projeto de soltura teve fim com o quinto peixe-boi chegando no chamado cativeiro de aclimatação, construído na Praia da Peroba, em Icapuí, para acostumar esses animais reabilitados para o retorno ao seu ambiente natural.

Tico, de seis anos e um mês, agora está junto de Alva, Maceió - os primeiros a chegarem, em meados de junho - e Maní e Pintada - que chegaram em novembro, na plataforma de tanque-rede de 3 metros de profundidade e 14 metros de comprimento. Tico passará pelo menos seis meses antes de ser libertado de vez. Para o grupo, foram anos de reabilitação que culminam agora no último processo antes do tão esperado retorno ao seu ambiente natural.

Equipes do Projeto Manatí, Aquasis, voluntários e efetivo da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros auxiliaram no último transporte de peixe-boi rumo ao cativeiro deste ano de 2020. O processo iniciou ainda por volta das 19 horas dessa quarta-feira, 9, se estendendo pela madrugada e terminando com sucesso por volta das 6 horas da manhã desta quinta-feira, 10, com a colocação de Tico na plataforma. O POVO acompanhou o processo em Icapuí com exclusividade.



 

 

 


View this post on Instagram


A post shared by O POVO Online (@opovoonline)



"Esse cativeiro é pioneiro no Brasil pelo fato de que para peixe-boi marinho, os cativeiros são em ambientes de rios e construídos com madeiras e redes. No nosso caso, como os animais aqui no Ceará não adentram mais área de rio, ia ser errado construirmos nesses ambientes, eles não iam se acostumar. Então o desafio foi criar essa estrutura robusta, flutuante, de baixo de impacto no local e de fácil montagem para que esses animais pudessem se aclimatar no ambiente", comenta Cristine Negrão, presidente da Aquasis.

A bióloga afirma que diariamente os peixes-bois em cativeiro são verificados para que seja anotada a evolução e avalie se eles estão se adaptando bem. "A mesma que eles estão demonstrando que estão se saindo bem, vamos planejando a soltura, e isso depende muito de animal para animal. O Projeto Manatí possui uma sede em Icapuí, com voluntários e equipe técnica de biólogos e veterinários para realizar as avaliações periódicas. Além disso, equipe do CRMM de Caucaia também vai ao local para fazer a verificação e colher exames.

Confira galeria de fotos do momento

Clique na imagem para abrir a galeria

Katherine Fiedler Choi-Lima, bióloga que coordenada o Projeto Manatí e a base de Icapuí, diz que o processo é mais um avanço no repovoamento da população de peixes-bois marinhos no Ceará. "É uma fase muito importante para a conservação do peixe-boi marinho e para nós da equipe é muito gratificante ver eles aqui. A adaptação tem sido muito tranquila. Inicialmente eles ficam mais estressados por conta de todo o transporte da mudança de ambiente, mas agora nosso desafio é fazer com que eles de adaptem a uma alimentação mais natural".

A previsão da soltura definitiva no mar dos primeiros animais, Alva e Maceió, é para meados de fevereiro. A dupla foi a primeira a embarcar no cativeiro de aclimatação, no fim de junho. A ação foi realizada pelo Projeto Manatí, com o patrocínio do Programa Petrobras Socioambiental e apoio do Sesc Ceará e Sistema Fecomércio, faz parte das estratégias de conservação adotadas pela Aquasis em prol da conservação dos peixes-bois marinhos no Estado.