PUBLICIDADE
Ceará
NOTÍCIA

Objeto brilhante no céu do Ceará tinha meia tonelada e viajava a 100 mil km/h

O bólido é uma espécie de meteoro extremamente brilhante que acaba explodindo na atmosfera antes de chegar no chão

14:29 | 27/10/2020
Trajetória do bólido segundo Marcelo Zurita, integrante da BRAMON (Foto: Rede Brasileira de Observação de Meteoros, BRAMON)
Trajetória do bólido segundo Marcelo Zurita, integrante da BRAMON (Foto: Rede Brasileira de Observação de Meteoros, BRAMON)

O objeto brilhante visto no céu do Ceará no dia 10 de outubro era uma rocha espacial com cerca de 500 kg viajando a mais de 100 mil km/h. De acordo com a Rede Brasileira de Observação de Meteoros, BRAMON, o objeto é chamado de bólido, e foi completamente vaporizado antes de chegar no chão. A queda do bólido provocou barulho e tremor nos municípios de Redenção, Guaramiranga, Pacoti, Capistrano, entre outras cidades cearenses. Em Fortaleza, foi possível visualizar um intenso fenômeno luminoso.

Um bólido é uma espécie de meteoro extremamente brilhante, e que explode na atmosfera. Lauriston Trindade, astrônomo amador e Instrutor de Química no SENAI Maracanaú, explica que a alta velocidade faz com que os gases da atmosfera sejam comprimidos e isso gera muito aquecimento. "Aquece tanto, que gera plasma e é o brilho a partir do aquecimento que vemos", disse.

Sobre o risco que a queda desse objeto poderia trazer para a população, Lauriston Trindade diz que a velocidade de movimentação promove o aquecimento do material, e consequentemente sua vaporização. "Com o aquecimento, existe a vaporização do material. Assim, se a rocha de início for muito pequena, a vaporização vai consumir tudo. Além disso, é preciso que a velocidade de entrada seja baixa, menor que 20km/s, para que a rocha tenha maiores chances de sobreviver", explicou.

Após observar o vídeo e imagens de satélite, foi possível determinar a trajetória do objeto. Segundo a BRANON, a detecção das imagens mostra que o bólido estava cerca de 60 km de altitude, no município de Caridade, e desapareceu a 30 km de altitude, sobre o município de Pentecostes.

“Todos os dias e noites, temos entrada de material espacial na atmosfera. Em uma noite escura, longe da poluição luminosa, é sempre possível ver as chamadas 'estrelas cadentes'. O grande diferencial dessa vez foi que a massa do objeto que entrou na atmosfera foi relativamente grande, gerando muito brilho, tornando o meteoro visível mesmo a luz do dia", conclui Lauriston Trindade.

LEIA MAIS - Qual a diferença entre meteoro, meteorito, cometa, asteroide e meteoroide?