PUBLICIDADE
Ceará
NOTÍCIA

Professores da Uece protestam contra início de aulas por meio remoto, alegando "exclusão digital"

Instituição estuda proposta de começar semestre 2020.1 em outubro; docentes alegam que retomada vai aprofundar desigualdades

Gabriela Almeida
22:53 | 02/09/2020
Professores reivindicam
Professores reivindicam "justiça digital" (Foto: Natali Carvalho)

O Sindicato de Docentes da Universidade Estadual do Ceará (Sinduece) realizou, na tarde desta quarta-feira, 2, uma manifestação contrária ao início do semestre 2021.1 por meio remoto, planejado inicialmente pela instituição para ocorrer entre o final deste mês e o próximo. Professores alegam que a Uece não fornece medidas para evitar a "exclusão digital" dos alunos, mas a universidade rebate e garante que trabalha para um retorno inclusivo.  

A instituição teve todas as suas aulas presenciais suspensas com o início da pandemia no Estado, em março deste ano, utilizando de meio remoto para finalizar cursos do semestre 2019.2. No último mês, universidade lançou uma nota afirmando que estava estudando a possibilidade de calendário 2020.1 iniciar, também a distância, entre setembro e outubro.

| LEIA MAIS |

Com atividade presenciais suspensas pela pandemia, alunos denunciam suposto descaso da Uece

20% dos alunos do ensino infantil privado no Ceará retornaram às aulas presenciais

Escolas adotam novos modelos de avaliação no ensino remoto

Para o Sinduece, se a previsão virar realidade, as "desigualdades" serão aprofundadas e alunos de baixa renda devem sofrer prejuízos, já que, segundo o sindicato, a instituição não adota politicas que permitam uma "justiça digital". Docentes chegaram a realizar assembleias para discutir questão, defendendo uma inclusão nessa forma de ensino.

De acordo com a docente Virginia Assunção, diretora do Sinduece, o ensino remoto é um "remendo frente a realidade em que a universidade está inserida". A professora afirma que a instituição apresenta problemas de infraestrutura e que, ao oferecer um ensino a distância, não presta "nenhuma assistência tecnológica para os alunos", principalmente os de baixa renda.

Como alternativa, Virginia ainda afirma que a universidade deveria adotar medidas como, entre outros, distribuição de chips e de aparelhos para a comunidade acadêmica. "Não tivemos sinalização de uma inclusão digital", afirma docente.

Procurada pelo O POVO, a assessoria da Uece afirmou que o semestre deve ser iniciado em outubro, mas que a proposta ainda precisa ser analisada pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Cepe). A entidade também alegou que, assim como em outras universidades do Estado, o retorno é planejado com "condições materiais para a inclusão e formação digital de discentes e docentes".

Rebatendo as denúncias realizadas por docentes, a Uece, por meio da assessoria, afirmou ainda que entidade estudantil planeja "o suporte material necessário" para a retomada, garantindo "itens de conectividade e de permanência universitária".

Confira nota na íntegra:

A Universidade Estadual do Ceará está concluindo o período letivo suspenso pela pandemia e estamos trabalhando com uma previsão de início do próximo semestre em outubro. Falamos em previsão, porque será o CEPE que deliberará sobre calendário, formato e condições de oferta do próximo período letivo. 

Neste momento, as três Universidades Estaduais do Ceará (UECE, URCA e UVA), coordenadas pela SECITECE e apoiadas pela SEPLAG e Vice-governadoria, estão construindo as condições materiais para a inclusão e formação digital de discentes e docentes, de forma segura e responsável, pensando no retorno as atividades acadêmicas, de forma remota, isto é, planejando o suporte material necessário, como a exemplo dos itens de conectividade e de permanência universitária.

Informamos ainda que a UECE se preocupa com o quadro epidemiológico do Estado do Ceará, considerando as especificidades epidemiológicas de cada região do estado. Para tanto, desde o começo da pandemia Grupo de Trabalho para enfrentamento à pandemia do coronavírus na Uece, composto por epidemiólogos, virologistas e infectologistas, sejam médicos, veterinários ou enfermeiros, que contribui no planejamento e nas decisões necessárias para a Uece diante do problema sanitário que enfrentamos.