Participamos do

Sem previsão sobre reabertura, proprietários de bares estão apreensivos

Em ofício enviado ao Governo Estadual, a Abrasel pede que a abertura dos bares seja incluída no próximo decreto, a entrar em vigor na próxima segunda-feira, 3
13:49 | Jul. 30, 2020
Autor Ismia Kariny
Foto do autor
Ismia Kariny Estagiária O POVO online
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) destaca apreensão entre empresários diante da falta de previsão para reabertura das atividades em bares de Fortaleza. De acordo com a Associação, desde que houve a liberação para o funcionamento dos restaurante até as 23 horas, o Governo do Ceará não se pronuncia ou dialoga com a Associação. Em ofício enviado para a gestão estadual, a Abrasel pede que os bares sejam incluídos no próximo decreto, com previsão de entrar em vigor já na segunda-feira, 3.

O coordenador do Plano de Retomada Responsável das Atividades Econômicas e secretário-executivo do Planejamento e Gestão do Estado, Flávio Ataliba, informou que setores como bares, eventos, entretenimento e aulas presenciais seguem sem previsão de reabertura. O desafio, segundo ele, é encontrar mecanismos que viabilizem esse retorno gradativo sem comprometer os avanços já obtidos no enfrentamento à pandemia. 

Para o diretor-executivo da Abrasel, Taiene Righetto, a falta de previsibilidade é o que tem deixado os empresários mais apreensivos. Ele conta que desde a terceira fase do plano de retomada, a categoria está preparada com todas as medidas de protocolo, para retornar às atividades. “A gente vinha em bom diálogo, e agora acabou. O Governo tem tomado decisões e não dá retorno para a gente. O maior problema que estamos enfrentando agora é justamente a falta de previsibilidade e entendimento”, comenta.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Ele acredita que os bares estão sendo discriminados sem explicações por parte da gestão estadual. “Estamos há quase cinco meses fechados. A palavra que eu queria externar agora é essa, de muita tristeza sobre essa postura do Governo frente a pequenos empresários que movimentam a economia de Fortaleza”, diz ele. Segundo Taiene, essa falta de diálogo prejudica até mesmo o cumprimento do Decreto por parte dos empreendedores.

Leia também | O que mudou em um mês de reabertura econômica no Ceará

Ele conta que os empresários de restaurantes foram surpreendidos no último sábado, 25, por determinações do Decreto que proíbem transmissão de jogos de futebol e lives no interior de restaurantes. A entidade, segundo o diretor-executivo, não havia sido informada previamente sobre essa medida. “Fomos pegos de surpresa. Embora a gente não concorde, vamos cumprir o Decreto, com certeza. E se tivessem informado [antes], teríamos avisado aos empresários”, salienta Taiene Righetto.

Reabertura dos bares pode ajudar a disciplinar a população, diz Abrasel

Em ofício enviado ao Governo do Ceará, a Abrasel, entidade representativa dos negócios de Alimentação Fora do Lar (bares, restaurantes, barracas de praia, buffets, casas noturnas, lanchonetes, cafeterias e afins), destaca que a abertura dos bares pode ajudar a conter aglomerações em Fortaleza. No documento, a entidade argumenta que a limitação de abertura para apenas restaurantes, num curto período noturno, faz com que poucos estabelecimentos estejam disponíveis para a quantidade de clientes potenciais.

“Com a reabertura de bares até as 23 horas, podemos dar mais opções à população, descentralizando a frequência de saída da população nos mesmos locais”, diz trecho do documento. “Fato hoje que temos sido impedidos de realizar e jogando essa responsabilidade à informalidade e expondo a população em grandes riscos de contaminação”, continua a Abrasel em Ofício.

Segundo a entidade, sem essa opção, são observadas aglomerações em outros setores, como praias; ou condomínios particulares, onde as pessoas se reúnem, fora do alcance das fiscalizações. “Se os bares estivessem abertos, conseguiriam pulverizar melhor esse público, sem deixá-los em um só lugar. E com os protocolos, a gente pode ajudar a disciplinar a população”, pondera Taiene Righetto. Entre os protocolos citados pelo diretor-executivo da Abrasel, estão a limitação de pessoas dentro dos estabelecimentos, o distanciamento de dois metros entre as mesas, e a ocupação de duas pessoas em cada mesa.

O POVO entrou em contato com a Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag) para buscar mais informações sobre a possibilidade dos bares serem incluídos no próximo decreto de retomada das atividades econômicas. Em resposta, a Seplag reforçou que não há previsão para isso. Também não houve pronunciamento sobre a falta de diálogo informada pela Abrasel. A Secretaria também não se posicionou sobre o ofício enviado pela Associação.

Abrasel orienta proprietários de bares a cumprirem o decreto

Apesar de não concordar com a postura do Governo Estadual, que segue adiando o retorno das atividades dos bares, sem previsão de inclusão no Plano de Retomada, a Abrasel orienta que os empresários cumpram as determinações. “Independentemente da gente não concordar com a postura ou com o decreto, temos que cumprir. Nunca vamos apoiar abertura fora da lei, porque isso vai ter consequências”, frisa.

De acordo com o diretor-executivo Taiene Righetto, mesmo aqueles setores que já têm permissão de funcionamento - sobretudo em cidades interioranas - devem permanecer atentos aos protocolos sanitários. “Nossa orientação é que sigam os protocolos do Governo do Estado, porque são muito bons. A gente tem que reabrir adaptados ao momento que estamos vivendo e tomar cuidado sempre com nossos clientes e colaboradores; a saúde é em primeiro lugar”, finaliza.

Leia a íntegra do ofício da Abrasel enviado ao Governo do Estado:

"Entendemos que os bares e restaurantes estão preparados e vem cumprindo com disciplina todos os protocolos, funcionando com distanciamento social e todos os EPIS necessários para garantir a segurança de clientes e colaboradores. Com a decisão de não reabertura de bares de forma parcial até as 23 horas, temos visto muitas aglomerações em praias, ambulantes, bares que nem CNPJ possuem, muitas festas em condomínios particulares a fim de assistirem jogos de futebol e lives gerando grandes aglomerações fora do alcance das fiscalizações. Fora isso, a limitação de abertura só a restaurantes num curto período noturno, faz com que se disponha poucos estabelecimentos por quantidade de potenciais clientes.

Com a reabertura de bares até as 23 horas, podemos dar mais opções a população, descentralizando a frequência de saída da população nos mesmos locais e pulverizando essa população num maior número de estabelecimentos, diminuindo muito o risco de aglomerações bem como poderemos exercer o papel de educar a sociedade nas medias de prevenção, fato hoje que temos sido impedidos de realizar e jogando essa responsabilidade a informalidade e expondo a população em grandes riscos de contaminação.

Diante do exposto acima pedimos urgentemente o diálogo e a sensibilização do Governo do Estado, para que não sejamos vistos como mais uma peça do xadrez e sim trabalhadores e pais de família responsáveis, que querem trabalhar com segurança e em parceria com o poder público.

Pedimos que sejamos incluídos no próximo decreto do governo do estado, sendo liberado o funcionamento de bares até as 23 horas, com todo protocolo exigido sendo cumprido à risca".

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags