PUBLICIDADE
Ceará
NOTÍCIA

UFC consegue patente de aparelho robótico capaz de fazer anestesia sem dor

Esta é a primeira carta patente de titularidade exclusiva da Universidade Federal do Ceará.

19:36 | 09/07/2020
Os estudos para criação do aparelho começaram em 2010 (Foto: Divuglação/UFC)
Os estudos para criação do aparelho começaram em 2010 (Foto: Divuglação/UFC)

Universidade Federal do Ceará (UFC) conseguiu na última terça-feira, 7, a patente de um aparelho robótico capaz de fazer anestesia sem dor durante procedimentos odontológicos. O pedido foi feito em 2013, mas só agora o equipamento conseguiu ser registrado pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI). Esta é a primeira carta patente de titularidade exclusiva da Universidade Federal do Ceará.

O dispositivo trabalha substituindo seringas. Com uma aparência que consegue esconder a agulha, ele impossibilita que o paciente a veja. Diferente de outros aparelhos semelhantes que só alteram a velocidade do fluxo de injeção, este consegue fazer com que o paciente não sinta dor, por meio de uma vibração que tem a velocidade controlada pelo computador.

LEIA MAIS | Após queda de reboco do teto, estudantes denunciam problemas estruturais na residência universitária da UFC

De autoria do professor do Curso de Odontologia José Jeová Siebra Moreira Neto, em parceria com a também professora do curso Juliana Oliveira Gondim e com os pesquisadores Augusto Darwin Moreira de Araújo Lima e Alexssandra Camarço Prado Lima, o pedido pela patente foi feito em 2013, as pesquisas se iniciaram em 2010.

Geralmente, o período para aprovação de patente é de 9 a 10 anos, sendo expedido apenas se a invenção atender aos requisitos exigidos pela legislação. Para o aparelho odontológico, foram 7 anos.

LEIA MAIS | Ordem de despejo de família que mora em área da UFC há 10 anos é suspensa

A UFC possui outras duas cartas de titularidade, mas ambas são divididas com outras instituições. A primeira, concendida no ano passado, é dividida com a Petrobras e consiste em um sistema de armazenamento e transporte de gás natural na forma adsovirda. A segunda é referente a uma possibilidade mais efetiva de prevenção e combate à tuberculose, sendo dividida com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Confira vídeo: