PUBLICIDADE
Ceará
NOTÍCIA

Terra treme no Ceará em ponto entre os açudes Castanhão e Banabuiú

O sismo de baixa intensidade foi registrado na madrugada desta segunda-feira, 11, no território do município de Jaguaretama. Castanhão foi reformado em 2019 e Banabuiú tem serviços previstos aguardando licitação

Cláudio Ribeiro
13:32 | 11/05/2020
Ponto indicado por estrela vermelha mostra epicentro do tremor desta segunda-feira, 11 de maio, em Jaguaretama, localizado entre os açudes Banabuiú e Castanhão
Ponto indicado por estrela vermelha mostra epicentro do tremor desta segunda-feira, 11 de maio, em Jaguaretama, localizado entre os açudes Banabuiú e Castanhão (Foto: REPRODUÇÃO)

Atualizada em 12/5/2020 às 16h50min 

Um tremor de terra de magnitude 1.2 grau na escala Richter foi registrado na madrugada desta segunda-feira, 11, no município de Jaguaretama, num ponto do território cearense que fica localizado entre os açudes Banabuiú e Castanhão, dois dos principais reservatórios do Estado.

O sismo aconteceu às 3h09min, foi registrado por sensores do Laboratório de Sismologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (LabSis-UFRN). A vibração neste nível é considerada de baixa intensidade e aparentemente sem riscos para as duas barragens - ambas atualmente com baixo volume hídrico.

O ponto do tremor em Jaguaretama (a 246 km da Capital) fica distante cerca de 20 quilômetros do açude Banabuiú e a 40 quilômetros do Castanhão.

LEIA MAIS: Confira detalhes dos maiores tremores de terra registrados no Ceará

Com a quadra chuvosa atual, iniciada em fevereiro e que se encerra no fim deste mês, os dois reservatórios ganharam boa recarga em relação ao cenário que estiveram no começo de 2020.

O Banabuiú está com 12,15% (194 milhões de metros cúbicos) acumulado de sua capacidade enquanto o Castanhão, o maior do Estado, chegou ao volume de 15,6% (1,04 bilhão de m³), segundo os dados da manhã desta segunda-feira, 11, do Portal Hidrológico do Ceará. Os dois chegaram a estar com apenas 6,07% e 2,42% do total, respectivamente, como menores volumes deste ano.

O POVO solicitou informações ao Departamento Nacional de Obras contra as secas (Dnocs), na manhã de segunda-feira, 11, para saber sobre a segurança das barragens diante do fenômeno registrado. A resposta foi enviada na tarde de terça, 12. O órgão reforça que  o tremor "foi considerado de baixa intensidade, não apresentando risco para as duas barragens". 

Na nota, o Dnocs informa que "o Castanhão foi recuperado recentemente e todas as estruturas estão operando com a segurança que é exigida". Quanto ao Banabuiú, detalha que o açude "também está com sua segurança e estabilidade garantidas. Será objeto de recuperação, sendo que a intervenção mais significativa diz respeito aos equipamentos hidromecânicos, cuja situação atual igualmente não compromete a sua segurança".

Obras de recuperação nos reservatórios

 

O Dnocs fez recente recuperação na estrutura da barragem do Castanhão, dentro de custos previstos no projeto de transposição das águas do Rio São Francisco. A obra foi concluída em 2019, com investimento de R$ 15.892.515,04.

O Banabuiú também está com custos levantados de R$ 20.642.172,69 para reformas na estrutura física do reservatório. O órgão informa que os trabalhos ainda não começaram, encontram-se "em processo licitatório". 

Os serviços envolvem desde recuperação dos motores de bombeamento a restauração das paredes e obras no entorno dos reservatórios.

LEIA TAMBÉMMaior tremor do Nordeste, que aconteceu no Ceará, completará 40 anos

Tremor também em Crateús

O Ceará teve outro tremor de terra registrado nas primeiras horas desta segunda-feira. Foi no município de Crateús. Os sensores sismográficos foram ativados à 1h20min, com magnitude de 1.6 grau na escala Richter. Também é considerado um sismo sem relevância para eventual risco à população.

Ponto exato no território de Crateús, onde sensores registraram tremor de 1.6 grau na madrugada desta segunda-feira, 11 d maio
Ponto exato no território de Crateús, onde sensores registraram tremor de 1.6 grau na madrugada desta segunda-feira, 11 d maio (Foto: reprodução)

"Não temos muitos tremores de terra nessa região, mas são comuns as evidências dos mesmos em diversas áreas do Nordeste. Foi de intensidade baixa", confirmou o geofísico Eduardo Menezes, do LabSis da UFRN.

O LabSis é integrado à Rede Sismográfica do Nordeste, que alimenta o banco de dados para Rede Sismográfica Brasileira (RSBR). No Ceará, o LabSis mantém dez estações de monitoramento.