PUBLICIDADE
Ceará
NOTÍCIA

População acima dos 30 anos cresce no Ceará; mulheres permanecem como maioria

Pnad Contínua também avaliou os domicílios do Estado. Entre os 3 milhões de lares, prevalecem as casas próprias já quitadas

Marcela Tosi
12:30 | 07/05/2020
FORTALEZA,CE,BRASIL, 08-03-2020:Ato pela vida das mulheres, Manifestação feita na Avenida Historiador Raimundo Girão, com saida do Dragão do Mar até o Aterro da Praia de Iracema. (Foto: Beatriz Boblitz/O POVO)
FORTALEZA,CE,BRASIL, 08-03-2020:Ato pela vida das mulheres, Manifestação feita na Avenida Historiador Raimundo Girão, com saida do Dragão do Mar até o Aterro da Praia de Iracema. (Foto: Beatriz Boblitz/O POVO) (Foto: Beatriz Boblitz/O POVO)

A distribuição populacional no Ceará por grupos etários mostra um crescimento na proporção de pessoas acima de 30 anos de idade: em 2012 essa estimativa era de 48%, passando para 56% em 2019. Em Fortaleza, a maior proporção é de pessoas com mais de 65 anos (45,5%), seguida pela faixa de 50 a 59 anos (16,1%). Os dados fazem parte da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua 2019 e foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira, 6.

Dos 9,1 milhões de cearenses, as mulheres são maioria. Elas totalizam 4,7 milhões (52,2%), enquanto os homens são 4,3 milhões. Quando separados por faixas etárias, a proporção se inverte na adolescência: o intervalo de 14 a 17 anos é o com maior parcela de homens (53,4%). Elas representam também grande parte dos responsáveis pelos lares, apesar de não serem a maioria.

No Estado, entre as pessoas consideradas responsáveis pelo domicílio 49,6% são mulheres. Do total feminino, o maior percentual é de filhas ou enteadas do responsável pelo domicílio (31,9%), seguido de responsáveis pelo domicílio (31%) e de cônjuge ou companheira do responsável (24,9%). Em 2012, o cenário era um pouco diferente: o número de filhas e enteadas representava 36,6% do total, seguido de 30,3% de cônjuges ou companheiras e 21,1% eram responsáveis pelo domicílio.

Quanto à cor de pele, o estudo aponta que 66,2% dos cearenses se consideram pardos. A população declarada de cor branca representa 27,2% e negros são 5,9% Em 2012, essas estimativas eram respectivamente, 66,3%, 30,5% e 2,9%. Na Capital, a distribuição proporcional é similar, com 62,1% de pardos, 31,9% de brancos e 5,6% de pretos. Segundo o IBGE, a população autodeclarada parda no País reside principalmente no Norte (72,2% dos habitantes da região) e no Nordeste (62,5%).

Características dos domicílios

A Pnad Contínua também investigou o perfil dos lares cearenses no último ano. O Estado tem 3 milhões de domicílios particulares permanentes, sendo majoritariamente casas próprias já quitadas. Classificados entre casa, apartamento ou cortiço, observou-se que há o predomínio de casas (89,8%), seguido de apartamentos (10,2%).

Do total, 2,1 milhões (69,1% ) são domicílios próprios já pagos, 560 mil (18,8%) são alugados e 248 mil (8,3%) são cedidos. Há ainda os imóveis próprios que estão sendo pagos, 108 mil, e aqueles em outra condição, como nos casos de invasão, que totalizavam 5 mil em 2019.

Quanto aos serviços de saneamento básico, em 79,1% das unidades domiciliares do Estado a principal fonte de abastecimento de água é a rede geral de distribuição, em detrimento de poços artesianos e cacimbas. Dentre essa maioria, em 83,7% a disponibilidade de água é diária, baixando para cerca de 9,6% nos casos de frequência de 4 a 6 vezes na semana e de 5,2% nos casos de frequência de 1 a 3 vezes na semana.