PUBLICIDADE
Ceará
NOTÍCIA

Tremores de terra voltam a atingir Quixeramobim

Novo sismo foi registrado às 21h44min dessa quinta-feira, 25, pelas estações da Rede Sismográfica Brasileira

07:58 | 26/07/2019

Era por volta das 22 horas da noite dessa quinta-feira, 25, quando moradores da região de Quixeramobim sentiram um novo tremor de terra. De acordo com a Rede Sismográfica Brasileira (RSBR), o evento teve magnitude de 3.0 e foi sentido nas localidades de Fogareiro, São Joaquim, Agrovila de Passagem, Carnaubinha, Veneza do distrito de Manituba, Poço Cercado do distrito de Damião Carneiro e povoado de Pau Ferro.

Na madrugada da última quarta-feira, 24, 102 sismos foram registrados na mesma região. O tremor desta quinta supera o de 2.5 registrado às 2h46 de quarta. Segundo o o Laboratório Sismológico da

Universidade Federal do Rio Grande do Norte (LabSis/UFRN), o município de Quixeramobim sofre um "enxame sísmico". Desde o dia 17 de março deste ano, foram registrados mais de 1.200 tremores de terra na região.

Diferente dos eventos normais, onde há um tremor principal e pré ou pós choques, os enxames sísmicos são caracterizados pela incidência de um grande número de tremores, durante um certo período de tempo, em única área. Reativação de falhas geológicas, acumulação de pressão sob a superfície da Terra e ruptura rochosas são fatores que podem influenciar tais manifestações terrestres. “Este é um momento de muita atenção, pois a atividade sísmica da região pode parar de repente ou gerar um terremoto de maior magnitude", afirma Eduardo Menezes, sismólogo LabSis.

Tremores do Ceará

O Nordeste tem sismicidade ativa e o tremor de maior magnitude da região foi registrado no município cearense de Chorozinho, em 1980, com magnitude de 5.3. Com registro desde 1807, em Pereiro, as atividades sísmicas já foram sentidas em 52 municípios do Ceará. Na região de Quixeramobim, apenas entre março e maio deste ano, foram registrados 1.052 tremores.

Atualmente, além de Quixeramobim, o LabSis mantém áreas de estudo em Sobral, Hidrolândia, Senador Sá, Palhano, Granja e Santana do Acaraú. Em Palhano, foi posto em prática um projeto de 20 casas sismo-resistentes, em que as casas são preparadas com cinta de concreto armado e pilares para suportarem os sismos.

 Redação O POVO Online