PUBLICIDADE
Ceará
MEIO AMBIENTE

Decisão judicial impede operação de 35 poços construídos pelo Estado no Litoral Oeste

Impasses existem desde 2017, quando Camilo Santana apresentou o projeto de retirada de água da região

13:59 | 30/04/2019

Após parecer técnico-científico que ressaltou os impactos negativos da operação de 35 poços em municípios do Litoral Oeste do Ceará, a Justiça concedeu liminar para barrar a atividade. A decisão é do desembargador federal Manoel Erhardt, Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5), a partir de pedido do Ministério Público Federal (MPF).

Segundo o estudo, a construção desses poços no aquífero da região poderia causar danos ambientais graves. As cidades afetadas seriam Caucaia, São Gonçalo do Amarante e Paracuru.

O impasse surgiu em 2017, quando o governador Camilo Santana (PT) sugeriu a retirada de água do Lagamar do Cauípe e de dunas da região, em São Gonçalo do Amarante, para abastecer as indústrias do Pecém. De acordo com o projeto, haveria economia de água nos reservatórios do Estado caso a medida fosse implantada. No entanto, especialistas afirmaram que a extração da água da área poderia deixar comunidades desabastecidas, bem como influenciar no meio ambiente.

Brigas judiciais ocorrem desde o início das operações, com bloqueios e permissões para as obras sendo concedidas. A procuradora da República Nilce Cunha afirmou que as perfurações dos poços aconteceram sem a apresentação de Estudo de Impacto Ambiental.

+ Leia mais: Manifestantes reivindicam paralisação de obras para retirada de água das dunas

Redação O POVO Online