PUBLICIDADE
Ceará
EDUCAÇÃO PÚBLICA

Mais de 20 mil alunos de escolas públicas estaduais conseguiram ingressar no ensino superior em 2018

Houve aumento de 19,59% no número de aprovados, entre 2017 e 2018, na rede pública

11:57 | 28/03/2019
Escolas públicas tiveram índice considerável de aprovações
Escolas públicas tiveram índice considerável de aprovações(Foto: GOVERNO DO CEARÁ/DIVULGAÇÃO)

O número de alunos da rede pública estadual aprovados para o ensino superior subiu 19,59% entre 2017 e 2018. Assim, 20.207 estudantes podem cursar a faculdade em instituições públicas e privadas neste ano. O anúncio foi feito na manhã desta quinta-feira, 28, pelo governador Camilo Santana (PT), no Palácio da Abolição, em Fortaleza.

O índice de aprovados tem apresentado constante aumento nos últimos anos. Em 2016, 13.516 ingressaram em universidades. Já em 2017, 16.897 jovens conseguiram acesso ao Ensino Superior. 

Antônio Rogério de Moura, de Santa Quitéria, foi um dos aprovados em 2018 e agora cursa Jornalismo na Universidade Federal do Ceará (UFC). "A educação foi uma chance de expandir meus horizontes. Entrei na escola profissionalizante da minha cidade. Participei de Grêmio Estudantil, feiras científicas e via na escola um acolhimento". 

Dentre mais de 17 mil candidatos, ele foi um dos 50 aprovados para realizar intercâmbio nos Estados Unidos, no ano passado. "Voltei inspirado a compartilhar essa história a outros jovens. Não importa de onde eles venham, eles são capazes de conseguir grandes coisas", declara Rogério.

Camilo Santana atribuiu o sucesso dos números no Estado aos investimentos na Educação, como estes programas de estímulo aos alunos, além do trabalho continuado dos educadores. "Isso é fruto de um trabalho de anos. Os primeiros alunos do programa Alfabetização na Idade Certa estão chegando agora ao ensino médio. Criamos forma de acolher esses jovens para reduzir a evasão de 16% para 5% no ano passado. E queremos chegar a zero, perdendo nenhum aluno", exemplifica o governador.

Camilo conta que a meta é chegar até o fim do governo com 50% das escolas em regime de tempo integral. "O Ceará tem apostado no Ensino Fundamental, que é a base, juntamente com os municípios. Tem investido fortemente no Ensino Médio, através das escolas profissionalizantes e de tempo integral, para que esses jovens possam se destacar e ter oportunidade", completa.

MEC 

O petista lamentou ainda o que chama de "desencontro" na Educação do País, após a cogitada demissão do ministro Ricardo Vélez, a portaria de adiamento da avaliação no Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), a demissão do diretor-presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), Marcus Vinicius Rodrigues, dentre outras mudanças no MEC. Entenda mais aqui.

"Uma hora toma decisão e depois volta atrás. Espero que o Ministério possa acertar, aprumar-se, ter um rumo, sair dessa confusão. Está faltando um pouco de diálogo com os estados e municípios, com as experiências exitosas", opinou Camilo.

Com informações da repórter Heloísa Vasconcelos

Lucas Braga