Logo O POVO+

Jornalismo, cultura e histórias em um só multistreaming.

Participamos do

Pernambuco tem aumento de casos de síndrome respiratória aguda grave em crianças e recém-nascidos

Em pelo menos oito dias deste mês, mais de 80 crianças e recém-nascidos estavam aguardando por um leito de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no estado

O estado de Pernambuco tem apresentado aumento no número de casos de pacientes com síndrome respiratória aguda grave (SRAG) no mês de maio. Em pelo menos oito dias deste mês, mais de 80 crianças e recém-nascidos estavam aguardando por um leito de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), conforme informações do G1 Pernambuco.

A Secretaria Estadual de Saúde (SES) enviou ao Ministério Público de Pernambuco (MPPE) dados que mostram que a grande maioria das solicitações de leitos são para pacientes com Srag. Somente nesta semana, dois bebês morreram por falta de leitos, sendo uma recém-nascida de um mês e um menino de 11 meses.

O secretário da Saúde de Pernambuco, André Longo, explicou em coletiva de imprensa realizada na semana passada que a maior incidência é em crianças de até 2 anos. Os sintomas respiratórios são desenvolvidos, segundo ele, pelo vírus sincicial respiratório (VSR), sendo um dos principais responsáveis por causar infecção aguda nas vias respiratórias.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

A doença, quando não tratada, pode afetar os brônquios e os pulmões. Casos de SRAG em crianças maiores de 2 anos, de acordo com o secretário, são causadas pelo rinovírus, responsável pelo resfriado comum. Conforme informações do G1, não existe uma vacina para o VSR. Crianças menores de 2 anos podem vir a óbito por falta de tratamento.

Falta de anticorpos

Algumas mães também apresentaram sintomas de SRAG. De acordo com o secretário da Saúde de Pernambuco, o número de solicitações de UTIs para crianças neste ano teve um aumento de três vezes com relação à sazonalidade do ano passado. Nessa quinta-feira, 26, 89 crianças e bebês aguardavam por leito de UTI, sendo 73 por síndrome respiratória.

Mulheres que engravidaram em 2020 e 2021, que tomaram todos os cuidados necessários durante a pandemia da Covid-19, tiveram menos infecções respiratórias e passaram menos anticorpos para os filhos. O fator pode ser um dos causadores do grande número de casos de SRAG em crianças de até 2 anos.

Fila de espera

Dados enviados ao Ministério Público de Pernambuco (MPPE) pela Secretaria Estadual de Saúde (SES) nessa quinta-feira, 26, mostram que 89 crianças e bebês aguardavam por leito de UTI, sendo 73 por síndrome respiratória. Com relação aos adultos, 65 esperavam por um leito em UTI geral e dois por leitos para pacientes com SRAG.

No dia anterior, na quarta-feira, 25, 84 crianças e bebês aguardavam por atendimento na fila de espera e 63 aguardavam um leito de SRAG. Em relação aos adultos, 71 aguardavam por leito em UTI geral e nenhum esperava por leito de SRAG, de acordo com informações do G1

Ainda segundo dados da SES, a Central de Regulação registrou 131 solicitações por leitos de UTI para crianças e bebês na semana epidemiológica entre 1 e 7 de maio, 149 na semana de 8 a 14 de maio e 228 na semana entre o dia 15 de maio até a quarta-feira, 25. No mesmo período de 2021, foram 64, 58 e 64 solicitações, respectivamente.

Surto de Srag em maternidade de Recife

O Centro Integrado de Saúde Amauri de Medeiros (Cisam), conhecido como Maternidade da Encruzilhada, na Zona Norte do Recife, entrou em estado de surto por SRAG em recém-nascidos. O primeiro paciente manifestou sintomas no dia 12 deste mês. Até domingo, 22, pelo menos cinco casos semelhantes em recém-nascidos foram notificados na unidade.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar