Participamos do

Bombeira com câncer realiza ensaio fotográfico enquanto raspa o cabelo com a ajuda da filha de 3 anos

Feliz com o resultado das fotos, Alessandra afirma que fará outro ensaio quando passar pela retirada das mamas. Depois da bombeira, seus familiares resolveram raspar o cabelo em apoio à ela
14:56 | Out. 30, 2021
Autor Isabela Queiroz
Foto do autor
Isabela Queiroz Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A bombeira militar de Goiânia, Alessandra Riad Iskandar Plaza, de 37 anos, realizou um ensaio fotográfico no momento em que foi raspar o cabelo devido a um câncer de mama. O que chamou a atenção foi a participação da filha dela, Valentina Iskandar, de 3 anos. Em vídeo publicado nas redes sociais de Alessandra, a pequena aparece ajudando a raspar o cabelo da mãe. As informações são do portal G1 Goiás.

“Me mantive firme com tanto carinho e cuidado dela, a mãozinha dela protegendo minha orelha, ninguém falou para ela fazer aquilo. Ela se divertiu, sorriu, disse até que a máquina passando na minha cabeça era igual brincar de carrinho. A reação dela quando me viu careca foi de querer raspar também, mas disse a ela que princesa não pode”, afirmou Alessandra.

LEIA TAMBÉM | Outubro Rosa: saiba onde doar cabelo em Fortaleza

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Depois de ser diagnosticada com câncer, em agosto deste ano, Alessandra ligou para uma amiga fotógrafa e pediu para realizar o ensaio. A intenção da bombeira era registrar o momento em que fosse raspar o cabelo. “Quando liguei para a minha amiga Lorena, (a fotógrafa), ela me deu forças, disse que ia usar as fotos para inspirar outras mulheres para que elas também tenham a força que eu estava tendo naquele momento”, conta.

Para passar por esse processo, Alessandra decidiu fazer diferente. Foi ao salão onde sempre cortava o cabelo, acompanhado pelo marido, Sérgio Plaza, e pela filha. Além disso, ela foi maquiada pela tia, antes do ensaio. Segundo a bombeira, a experiência foi libertadora e a companhia da família foi essencial nesse momento.

 

A decisão de Alessandra em raspar o cabelo surpreendeu até os médicos. Eles a orientaram a esperar, pois cairia naturalmente. No entanto, mesmo sendo um processo difícil, para ela, era mais sofrível ficar perdendo cabelo aos poucos. “Sempre pensei que não deixaria de ser quem eu sou e o que me tornei por não ter meus cabelos. Pelo contrário, sou ainda mais forte”, disse.

A bombeira amou o resultado das fotos e disse que fará outro ensaio quando passar pela retirada das mamas. “Quero mostrar que não deixamos de ser mulher por falta de seio ou por estarmos carecas. A beleza feminina está no olhar, nos gestos e não apenas no corpo”, afirma.

LEIA TAMBÉM | Câncer de mama: demora em diagnóstico aumenta risco de mortalidade

Familiares da bombeira resolveram fazer o gesto em apoio à ela.
O marido apareceu com a cabeça raspada no mesmo dia em que ela raspou. Em seguida, uma colega de trabalho, Matilde, o pai e tios da bombeira também cortaram o cabelo. Ela conta que ficou surpresa com tanto carinho, e que eles deram muita força.

Além do apoio emocional, os amigos de Alessandra estão ajudando no tratamento. Isso porque os gastos dela estão sendo muito altos, pois o plano de saúde não tem cobertura para alguns exames. Eles organizaram uma vaquinha on-line para colaborar com a realização de um Mapeamento Genético, exame que definirá o restante de seu tratamento.

Alessandra havia realizado, em dezembro de 2020, vários exames de rotina e uma ultrassom da mama pelo Corpo de Bombeiros, mas não havia sido detectado nada. No último mês de agosto, ela sentiu um nódulo na mama direita, sem apresentar dor, apenas uma sensibilidade no seio. Isso a motivou a fazer novos exames.

Ela afirma que ter descoberto cedo foi o que facilitou o seu tratamento e deixa um recado para outras mulheres: “Se conheça! Se toque! Se ame! No mínimo detalhe diferente corra atrás de exames. Eu não sentia dor, não sentia nada, mas ao me tocar percebi que algo estava errado. O câncer não é uma sentença de morte, é só uma etapa que teremos que passar e passa. Vida que segue!”, alerta.

Tenha acesso a todos os colunistas. Assine O POVO+ clicando aqui

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags