Termo de Uso Política de Privacidade Política de Cookies Conheça O POVO Trabalhe Conosco Fale com a gente Assine Ombudsman
Participamos do

Pediatra pode ter sido morto por alertar família de criança sobre abuso sexual

A esposa do médico e uma criança presenciaram o crime. Apesar da suspeita, familiares declaram que o pediatra era conhecido por boa relação com outras pessoas
23:52 | Set. 24, 2021
Autor Lara Vieira
Foto do autor
Lara Vieira Jornal
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O pediatra Júlio César de Queiroz Teixeira, de 44 anos, foi morto dentro de uma clínica particular onde trabalhava, no município de Barra, na Bahia. O caso ocorreu na manhã da última quinta-feira, 23. Julio estava em atendimento, quando um atirador invadiu o local e disparou quatro tiros contra o médico, um deles na cabeça. Crime pode ter sido motivado por alerta de abuso sexual à família de criança atendida, suspeita irmão da vítima.

"Teve essa conversa de que a criança chegou molestada e ele que tinha que ir para Irecê [cidade no centro-norte da Bahia], que Irecê que tinha o departamento para investigar, ver direito, né? Mas isso tem um tempo, porque ele como médico tem por obrigação ver uma questão dessa e alertar a mãe e o pessoal para procurar a polícia", disse o cirurgião-dentista e irmão da vítima, Lula Teixeira, em depoimento para o portal G1 nesta sexta-feira, 24.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

A polícia ainda não divulgou nenhuma linha de investigação sobre as possíveis causas do homicídio. O irmão ainda indicou que, apesar da suspeita, não entende os motivos para o médico ser alvejado, já que era conhecido pela boa relação com todos. "Era um cara que vivia para trabalhar, muito correto, direito, não se envolvia com malandragens, não era um homem de exageros. Um cara sempre responsável", contou Lula Teixeira.

O crime aconteceu no segundo atendimento que Júlio César fez no dia. A esposa do pediatra, que atuava na clínica como enfermeira, outros dois funcionários e uma criança, que estava com um acompanhante, presenciaram o assassinato.

Imagens registradas por câmeras de segurança revelam que dois homens, pelo menos, participaram do crime. No entanto, a polícia ainda não conseguiu identificar os envolvidos. Um é o atirador, que invadiu a clínica e o consultório. O segundo é o comparsa que levou o atirador ao local em uma moto. Após os disparos, a dupla se evadiu do local. Com o vídeo divulgado, a família pede para que pessoas possam contribuir com informações para que as autoridades possam identificar os suspeitos.

Colunistas sempre disponíveis e acessos ilimitados. Assine O POVO+ clicando aqui.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags