PUBLICIDADE
Brasil
Noticia

Flávio Bolsonaro comemora morte do maior miliciano do Rio de Janeiro

Ele destacou que o miliciano nunca foi policial

12:55 | 12/06/2021
Flávio Bolsonaro publicou foto dos policiais que estavam na operação (Foto: TWITTER/FLÁVIO BOLSONARO/REPRODUÇÃO)
Flávio Bolsonaro publicou foto dos policiais que estavam na operação (Foto: TWITTER/FLÁVIO BOLSONARO/REPRODUÇÃO)

O senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), comemorou neste sábado a morte de Wellington da Silva Braga, o Ecko, considerado o principal chefe de milícia do estado do Rio de Janeiro. "Parabéns aos Policiais Civis do Rio pela eliminação do miliciano 'Ecko', que nunca foi policial e era o mais procurado do país! Todo respeito e apoio incondicional aos verdadeiros Policiais de todo o Brasil!", escreveu no Twitter o filho do presidente Jair Bolsonaro.

Senador Flávio Bolsonaro
Senador Flávio Bolsonaro (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)

Ecko foi baleado em confronto durante operação da Polícia Civil e foi socorrido, mas acabou não resistindo. Ele foi preso na casa de parentes, na localidade de Três Pontes, em Paciência, zona oeste do Rio, região controlada por sua milícia. A Polícia Civil chegou a divulgar uma foto de Ecko deitado, de olhos abertos, ainda vivo, com uma perfuração abaixo do coração, logo após sua captura.

A Polícia tinha informações de que ele iria visitar a família e deflagrou a operação, batizada de Dia dos Namorados. Além de dominar os bairros da zona oeste, a quadrilha do miliciano também estava se expandindo para a Baixada Fluminense. 

LEIA TAMBÉM | O que é um miliciano e por que a família Bolsonaro é associada a esse termo

Os milicianos controlam o transporte clandestino, a entrega de botijões de gás, serviços de TV e internet e também cobram a chamada taxa de segurança dos moradores e comerciantes, obrigados a pagar parcelas semanais ou mensais para que não sejam ameaçados pela milícia.