Participamos do

Protesto-vigília em homenagem a Kathlen Romeu é realizado em São Paulo

Kathlen estava grávida de quatro meses, quando levou um tiro no torax disparado por uma arma da polícia. O pedreiro Gibinha, morto em maio, também é homenageado durante o protesto
22:13 | Jun. 11, 2021
Autor Lara Vieira
Foto do autor
Lara Vieira Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Militantes do movimento negro realizam uma vigília em memória de Kathlen Romeu na noite desta nesta sexta-feira, 11. Grávida de 24 anos, ela foi assassinada na última terça-feira, 8, durante operação policial no bairro Lins Vasconcelos, na zona norte do Rio de Janeiro. A vigília acontece no vão do Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (MASP), na Avenida Paulista, em São Paulo.

Kathlen era designer de interiores e modelo. A jovem estava grávida de 14 semanas, quando levou um tiro de fuzil no tórax. A Polícia Militar do Rio negou que uma operação estivesse em andamento e alegou que os agentes foram atacados. A família da vítima, no entanto, declarou que não houve troca de tiros e que os disparos partiram da polícia.

De acordo com o portal Metrópole, estima-se que o protesto em forma de vigília reúna cerca de 100 pessoas. Os manifestantes portam velas e faixas pedindo por “justiça” e “basta ao genocídio negro”. Durante o ato, também foram recitados os versos do poeta negro José Carlos Limeira: “Por menos que conte a história, não te esqueço, meu povo. Se Palmares não vive mais, faremos Palmares de novo”.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

O ato também faz homenagem ao pedreiro Gilberto Amancio de Lima, o Gibinha, de 30 anos. Ele foi morto por policiais de São Paulo no dia 14 de maio, com seis tiros. Na ocasião, ele estava a caminho da Favela da Felicidade, localizada no bairro Jardim São Luís, na zona sul da capital paulista, onde iria tatuar um amigo.

De acordo com a versão da PM, investigadores do Setor de Homicídios e Proteção à Pessoa de São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, foram até o local para fazer uma intimação. Enquanto procuravam um endereço, teriam percebido um suspeito em uma viela. O homem suspeito era Gibinha. Segundo os agentes, ele teria sacado uma arma e houve um tiroteio.

O protesto foi organizado pela Coalizão Negra por Direitos, que reúne 200 organizações, grupos e coletivos do movimento negro. “Para mim é sempre muito triste vir pra rua falar sobre o nosso direito de viver. É sempre muito triste que eu, aos 63 anos de idade, com meu companheiro de 73, tenhamos que sair de casa pra dizer que a nossa juventude, que nosso povo tem direito à vida”, declarou Regina Lucia dos Santos, criadora do Movimento Negro Unificado.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags