PUBLICIDADE
Brasil
NOTÍCIA

Judô: cinco medalhistas olímpicos são promovidos a Kôdansha (6º Dan)

11:15 | 16/12/2020
Judô: cinco medalhistas olímpicos são promovidos a Kôdansha (6º Dan) (Foto: )
Judô: cinco medalhistas olímpicos são promovidos a Kôdansha (6º Dan) (Foto: )

Homenagear ídolos do judô brasileiro. Esse foi o objetivo da Confederação nacional da modalidade (CBJ) na cerimônia da noite desta terça-feira (15), em Pindamonhangaba, interior de São Paulo. Sarah Menezes (ouro em Londres 2012), Tiago Camilo (prata em Sydney 2000 e bronze em Pequim 2008), Leandro Guilheiro (bronze em Atenas 2004 e Pequim 2008), Flavio Canto (bronze em Atenas 2004) e Carlos Honorato (prata em Sydney 2000) foram promovidos à faixa Vermelha e Branca 6º Dan. E passam a ostentar o título de Kôdansha. Ao lado deles, esteve o presidente da Federação de Judô do Estado do Rio Grande do Norte, Tibério Maribondo, que também recebeu sua promoção ao 6º Dan. Kôdansha é um título de alta graduação, específico do Judô criado pelo Instituto Kodokan, e que deve ser outorgado àqueles que se empenharam no aprendizado, na prática contínua, na demonstração da sua eficiência técnica, e à devida dedicação no ensino, no estudo e na pesquisa do Judô. Portanto, é depositário e responsável pela difusão dos princípios filosóficos e educacionais do Judô, preconizados pelo Mestre  Jigoro Kano. 

Uma publicação compartilhada por CBJ (@noticiascbj)

“Para mim, essa promoção é uma honra. Fico muito feliz e consigo relembrar do meu início no judô com 9 anos de idade, uma carreira brilhante, altos e baixos também e, agora, essa conquista inédita. Só tenho que agradecer, pelos feitos que tive, pela minha carreira e a todos que estiveram comigo”, resumiu a campeã olímpica Sarah Menezes à equipe da CBJ. “Nunca imaginei que aconteceria tão rápido. E veio em um momento bem oportuno. Simboliza a minha aposentadoria dos tatames, que é uma coisa que muita gente ainda não tinha entendido, o que tinha acontecido, não sabia. E, para mim, representa, simbolicamente, realmente o meu adeus ao judô competitivo”, falou Leandro Guilheiro  à CBJ.