PUBLICIDADE
Brasil
Noticia

MPF instaura inquérito sobre desabamento de falésia que matou família em Pipa

Órgão pediu para que prefeitura local mapeasse todas as áreas de falésia e definisse situação de cada uma; Hugo Pereira, 32, Stella Souza, 33, o filho do casal de sete meses e o cachorro da família foram as vitimas do acidente

21:38 | 18/11/2020
 VÍTIMAS de desabamento da falésia eram todos da mesma família (Foto: Arquivo pessoal)
VÍTIMAS de desabamento da falésia eram todos da mesma família (Foto: Arquivo pessoal)

O Ministério Público Federal do Rio Grande do Norte (MPF- RN) está investigando o desabamento de parte de uma falésia em Pipa, praia famosa do estado, que deixou três pessoas e um cachorro mortos na tarde dessa terça-feira, 17. De acordo com o portal de noticias UOL, o órgão instaurou um inquérito civil público para apurar as responsabilidades do acidente.

As vitimas eram da mesma família e aproveitavam um dia de folga, sentados próximos a falésia, quando uma área dela desmoronou e todos foram soterrados. Hugo Pereira, 32, sua esposa, Stella Souza, 33, o bebê do casal de sete meses e o cachorro da família não resistiram as consequências do impacto e faleceram. O casal e a criança foram enterrados na manhã desta quarta-feira, em um cemitério local.

O inquérito instaurado pelo MPF pede à Prefeitura de Tibau do Sul, cidade onde a praia está localizada, que mapeei todas as áreas de falésia e pontue a situação de cada uma. O órgão esteve reunido com a entidade municipal para abordar questão e definiram que uma inspeção fosse realizada no local onde o acidente aconteceu, ainda nesta quarta.

| LEIA MAIS |

Falésias como as de Canoa Quebrada e Morro Branco também têm risco de desabar devido à erosão e ondas

Ainda segundo a reportagem, a área de falésia que desmoronou vinha apresentando problemas de deslizamentos há cerca de dois anos. Em 2018, a Prefeitura do município tentou construir um cais próximo ao local e a obra provocou queda de partes das falésias, fato que levou o MPF-RN a paralisar construção ao anular a licença Ambiental que a permitia, alegando "grave risco ambiental e segurança pública".

Momentos depois do acidente que matou a família, a prefeitura de Tibau do Sul havia se manifestado e alegado que placas de alerta sempre eram espalhadas nas áreas de falésia, além de afirmar que o casal foi informado sobre o risco antes do desabamento. Por meio de nota, o órgão informou ainda que toda área do local foi interditada e que novos possíveis locais de risco estão sendo identificados.

As vítimas do acidente

Hugo era natural de Jundiaí, interior de São Paulo, e morava há algum tempo em Pipa, uma das praias mais famosas do Rio Grande do Norte e distrito do município de Tibau do Sul, a cerca de 100 km de Natal. Conforme o apurado pelo UOL, ele e sua esposa, Stella, eram donos de uma pousada na região, que estava sem funcionar em decorrência da pandemia, mas que se preparava para retomar atividades em dezembro.

No dia do acidente o casal havia resolvido levar o filho de sete meses e o cachorro para aproveitar um momento em família na praia. De acordo com locais que testemunharam o acidente, e que relataram o momento ao portal de noticias G1, as vítimas estavam sentadas próximas a falésia quando uma parte dela deslizou e soterrou todos.

Pessoas que estavam presentes no momento começaram a escavar a areia para tentar resgatar a família. Hugo foi o primeiro a ser encontrado, seguido por Stella e o bebê. Conforme relatos, a mulher teve como primeiro intuito abraçar o filho para tentar protege-lo, e foi encontrada ainda abraçada com ele.

Devido a proteção de Stella, o bebê foi o que menos teve ferimentos e ainda respirava quando foi encontrado, sendo prontamente atendido por uma médica que estava no local. Apesar das tentativas de reanima-lo, ele veio a falecer minutos depois. Além dele, os pais e o cachorro da família também morreram.

Queda de falésia não é incomum

A queda de parte de escarpas como as de Pipa não é incomum. Sujeitas à ação da maré, as falésias sofrem erosão, o que acaba por fazer com que parte da parede rochosa se solte. Além disso, outros tipos de acidentes com pessoas também não são raros, já que é bastante comum que moradores e turistas se descuidem ao parar para admirar a paisagem e tirar fotos. Em alguns pontos, o paredão chega a medir 40 metros de altura.