PUBLICIDADE
Brasil
NOTÍCIA

Maternidade é condenada a pagar R$ 40 mil para filho de Elba Ramalho após negar presença de fotógrafo em parto

Luã Yvys processou a maternidade por ter permissão negada para contratar fotógrafo que registrasse o nascimento da filha Esmeralda

18:55 | 15/10/2020
Amanda Mezkta disse que família está feliz por ter vencido o caso em primeira instância, mas está ciente que a maternidade pode recorrer (Foto: Reprodução/Instagram)
Amanda Mezkta disse que família está feliz por ter vencido o caso em primeira instância, mas está ciente que a maternidade pode recorrer (Foto: Reprodução/Instagram)

O filho de 33 anos da cantora Elba Ramalho e do ator Maurício Mattar, Luã Yvys, ganhou o processo em primeira instância contra a Maternidade Perinatal, do Rio de Janeiro, após a instituição negar a presença de um fotógrafo no parto de sua esposa, Amanda Mezkta, em abril deste ano. O casal entrou na justiça pois a maternidade permitiu que Bruno Gagliasso e Giovanna Ewbank usassem o serviço de uma fotógrafa profissional em julho deste ano. A Justiça determinou que a maternidade pague R$ 40 mil de indenização ao casal. 

Luã e Amanda alegaram no processo que receberam tratamento diferenciado porque não tiveram a permissão para documentar o nascimento da filha Esmeralda. À época, o hospital vetou a presença de um profissional de fotografia no parto, pois o hospital estava com restrição de circulação no local para evitar o contágio da Covid-19, doença causada pelo coronavírus. As informações são do Estadão.

"Eu e Luã decidimos mover um processo contra a Perinatal devido ao sentimento de indignação e impotência diante da postura da maternidade em relação a quebra do próprio protocolo que eles criaram", explicou Amanda em entrevista ao Estadão.

Em comunicado oficial, o hospital informou que pretende recorrer da decisão. "O departamento jurídico do Grupo Perinatal informa que se trata de decisão de primeira instância da qual irão recorrer, obedecendo todos os trâmites processuais", informa a nota.

Na entrevista, Amanda disse que família está feliz por ter vencido o caso em primeira instância, mas o processo ainda está em aberto e cabe recurso da maternidade. "Que esse caso sirva de exemplo para que outras famílias que, assim como nós, se sentiram profundamente desrespeitados pelo posicionamento da maternidade, busquem a validação de seus direitos através da justiça", argumentou a esposa de Luã.