PUBLICIDADE
Brasil
NOTÍCIA

Criança de 7 anos risca carro ao cair de bicicleta e deixa bilhete de desculpas ao proprietário

O caso aconteceu em Curitiba, no Paraná. O dono do carro disse que só viu o risco na lataria por causa do recado do garoto, que além de desculpas, deixou o telefone do pai no bilhete

Ismia Kariny
09:40 | 21/09/2020
Menino de 7 anos deixou bilhete pedindo desculpas ao dono por riscar lataria de veículo, após cair de bicicleta (Foto: Reprodução/RPC)
Menino de 7 anos deixou bilhete pedindo desculpas ao dono por riscar lataria de veículo, após cair de bicicleta (Foto: Reprodução/RPC)

 

Benício Esmanhoto Hoffmann, curitibano de 7 anos, sensibilizou internautas depois de protagonizar gesto exemplar de honestidade. Enquanto se divertia pedalando sua bicicleta, o garoto desequilibrou e arranhou a lataria de um veículo. Preocupado, deixou um bilhete de desculpas ao proprietário: “Desculpa, eu bati no seu carro(...) aqui está o telefone do meu pai", diz trecho da nota, que viralizou nas redes sociais. As informações são do portal de notícias do G1.

O caso aconteceu em Curitiba, no Paraná. O dono do carro, Marcelo Martins, disse à emissora paranaense RPC que só viu o risco na lataria por causa do recado do garoto. “Como ficar bravo com essa criança?" questionou em publicação onde relata o episódio. Até o domingo, 13, o post já contava com mais de 350 mil curtidas e 35 mil compartilhamentos.

Leia também | 70 anos de TV no Brasil: relembre curiosidades da história do veículo

"A gente acha que alguém que bate no seu carro pode sair correndo, ainda mais nesta idade, mas eu achei um gesto de uma doçura, de uma honestidade grande. Eu procurei de todos os lados, meu carro estava meio sujo e nem reparei. Se não fosse o bilhete eu nem tinha notado", acrescentou Marcelo, que decidiu não cobrar nada do garoto.

Em entrevista ao G1, o menino afirmou que estava muito preocupado e pretendia pagar o conserto do carro com o dinheiro que passou anos juntando. Além disso, garantiu que, em nenhum momento, pensou em fugir da responsabilidade.

"Na hora eu pensei: vou parar de andar bicicleta e pronto, acabou minha vida de ciclista. Eu fiquei anos juntando um pouquinho [de dinheiro] e daí tudo isso ia ser despejado em uma coisinha só. Fiquei preocupado, mas o bem sempre vai e volta, vai e volta, vai e volta", disse Benício.