PUBLICIDADE
Brasil
NOTÍCIA

Bolsonaro: comentários gordofóbicos, misóginos e sobre o trabalho infantil repercutem e recebem críticas

O presidente ainda deu declarações gordofóbicas, e ironizou a misoginia e o trabalho infantil

09:17 | 11/09/2020
YouTuber infantil participa da live semanal do presidente Jair Bolsonaro 
 (Foto: Reprodução/Facebook)
YouTuber infantil participa da live semanal do presidente Jair Bolsonaro (Foto: Reprodução/Facebook)

Durante sua live semanal, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) fez declarações gordofóbicas, ironizou a misoginia e o trabalho infantil, além de realizar um comentário de cunho sexual ao lado de uma youtuber mirim, de 10 anos, na noite de quinta-feira, 10. As declarações repercutiram e atraíram críticas.

No momento, Bolsonaro falava sobre quando foi acusado de ser misógino e admitiu que, na primeira vez que ouviu o termo — que significa horror ou aversão às mulheres —, pediu a um assessor para pesquisar na internet.

"Era uma senadora do Pará que estava em uma audiência pública lá, aquele negócio de kit gay, aquela história toda. E ela não gostou da minha presença lá e falou que eu era misógino. Então, se eu não gosto de mulher, é sinal de que eu gosto de homem. Quem não gosta de mulher gosta de homem, é isso?", acrescentou, direcionando a pergunta para a youtuber de 10 anos.

A seguir, a menina responde: "Mas é feio isso aí. Tem que ser certinho, gente, para vocês terem um futuro bem legal lá na frente". "Eu, por exemplo, comecei cedo", completou em referência ao fato de trabalhar desde os 6 anos.

Bolsonaro interrompeu e questionou, rindo: "Começou cedo? Como assim começou cedo?", ele disse.

"Eu e meus pais", a menina insistiu, inocentemente, explicando o que havia tentado dizer: "Eu comecei a minha carreira de repórter com 6 anos, e os meus pais com 13 anos começaram a trabalhar", finalizou a criança.

Repercussão

No Twitter, o trecho do vídeo repercutiu com muitas críticas à postura do presidente. "Eu gostaria sinceramente de saber se vai existir alguém que coloque a cara (e não um fake) pra defender esse senhor fazendo piadas de duplo sentido com uma criança. Onde é que a gente vai parar?", comentou a advogada, professora e apresentadora da CNN Brasil Gabriela Prioli.

"O governo que alimenta teorias conspiratórias protagonizadas por inimigos satanistas e pedófilos é comandando pelo presidente que se diverte às custas de uma criança com piadas de duplo sentido", escreveu o humorista Antonio Tabet, um dos criadores dos canais Desimpedidos e Porta dos Fundos.

A artista visual, professora de Filosofia e escritora Márcia Tiburi foi outra a condenar a declaração de Bolsonaro por meio da rede social. "Quem ainda não viu, entenda onde começa a cultura da pedofilia. O modo como o 'presidente' que envergonha esse País faz a piada 'maliciosa' contra a menina é parte dessa cultura que erotiza crianças. Pobre criança."