Participamos do

Youtube encerra conta de Sara Winter após expor dados de menina estuprada pelo tio

No último domingo, 16, Giromini fez postagens em suas redes sociais no qual divulgou o nome da menina e o local onde o aborto seria realizado. De acordo com o Ministério Público, as questões envolvendo crianças e adolescentes são sigilosas e a divulgação constitui crime.
11:37 | Ago. 18, 2020
Autor Redação O POVO
Foto do autor
Redação O POVO Jornal
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A extremista Sara Giromini, conhecida como Sara Winter, teve seu canal no Youtube encerrado na madrugada desta terça-feira, 18. A suspensão acontece dois dias após ela ter feito uma postagem em redes sociais expondo o nome da menina de dez anos que foi estuprada pelo tio e que teve a gravidez interrompida na última segunda-feira, 17, por determinação jurídica legal. O caso repercutiu nos últimos diasA garota segue bem em seu estado de saúde e o suspeito foi preso.

De acordo com a plataforma, a conta de Sara Winter foi encerrada por "violação dos termos de serviço do Youtube". Procurado pelo jornal O Globo, que apurou as informações, a empresa ainda não se pronunciou sobre as razões que levaram ao encerramento da conta.

No último domingo, 16, Giromini fez postagens em suas redes sociais nais quais divulgou o nome da menina e o local onde o aborto seria realizado, além de revelar o nome do médico que faria o procedimento. De acordo com o Ministério Público, as questões envolvendo crianças e adolescentes são sigilosas e a divulgação constitui crime. 

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

LEIA TAMBÉM | MP vai apurar vazamento de informações sobre criança que engravidou após ser vítima de estupro

As publicações já foram apagadas após a Justiça do Espírito Santo determinar que o Facebook, Youtube e Twitter retirassem do ar quaisquer postagens com informações sobre a identidade da garota.

Sara segue sendo investigada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no inquérito das Fake News, no qual teve suas contas em redes sociais suspensas. Entretanto, ela criou outros perfis e segue ativa em outras plataformas.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags