PUBLICIDADE
Brasil
NOTÍCIA

"Cidadão não, engenheiro, melhor que você": homem que tentou intimidar fiscal no RJ solicitou auxílio emergencial, diz jornal

Em reportagem exibida pelo Fantástico, da TV Globo, esposa do homem ataca fiscal sanitário que o chamou de "cidadão", enquanto ele questionava a fiscalização contra disseminação de coronavírus

19:41 | 06/07/2020
Flagra foi ao ar no programa Fantástico desse domingo, 5, na Rede Globo (Foto: Reprodução/Rede Globo)
Flagra foi ao ar no programa Fantástico desse domingo, 5, na Rede Globo (Foto: Reprodução/Rede Globo)

O homem que, junto à esposa, tentou intimidar o superintendente de Educação e Projetos da Vigilância Sanitária Flávio Graça, em reportagem exibida pelo Fantástico nesse domingo 5, teria solicitado auxílio emergencial de R$600 do Governo Federal. As informações são do site Extra.

Morador de Jacarepaguá, o engenheiro civil de 43 anos estava com a esposa quando ela ofendeu o fiscal sanitário. "Cidadão, não. Engenheiro civil, formado, e melhor que você", disse a mulher após o superintendente chamar o marido dela de "cidadão".

LEIA MAIS | "Cidadão não, engenheiro civil, melhor do que você": mulher que ofendeu fiscal no RJ é demitida

As informações foram obtidas por meio do Portal de Transparência da Controladoria-Geral da União (CGU). De acordo com documento, apurado pelo Extra, o homem recebeu a parcela de maio e, até o momento, não havia retirado as outras duas parcelas.

Segundo o Extra, nas redes sociais — que foram apagados após exibição de reportagem no Fantástico —, o homem se definia como "pai, casado, engenheiro, atleta amador, mergulhador, de direita, anti-PT, anti-Psol e anti PCdoB". Em outra, se dizia "conservador". Em postagens ele defendia a extremista Sara Winter, recentemente presa, até mesmo retuitando postagens dela. Antes de desativar o Twitter, sua última postagem era comemorando a soltura do blogueiro de direita Oswaldo Eustáquio.

Na reportagem exibida pelo Fantástico, o fiscal Flávio Graça explica para o engenheiro e a esposa que a aglomeração poderia propagar a contaminação do novo coronavírus e que as mesas nos estabelecimentos deveriam ter pelo menos dois metros de distância uma da outra. Na ocasião, o homem rebateu: "Cadê a sua trena? Eu quero saber como você mediu as pessoas". 

Procurados pelo Extra, o casal afirmou que irá consultar os advogados antes de se pronunciarem.