PUBLICIDADE
Brasil
NOTÍCIA

Jovem é preso após desenterrar a avó e tentar levar o corpo ao hospital para doar seus órgãos à ela

A idosa morreu em 2018 e estava enterrada no cemitério Morro da Liberdade. Em outras ocasiões, o homem já havia tentado retirar o cadáver da avó do local

13:18 | 02/07/2020

Um homem de 32 anos foi preso por desenterrar o corpo da avó, uma senhora de 61 anos, na madrugada desta quinta-feira, 2, em Manaus. O neto quebrou o túmulo, retirou o corpo e seguiu com ele nos ombros pela cidade. O jovem foi avistado por populares dançando com o cadáver na rua e afirmou que iria levá-lo ao hospital para poder doar seus órgãos e trazer a idosa de volta à vida. As informações são do G1.

Os detalhes foram informados pela Polícia, que foi acionada para o caso. Conforme a 2ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), que atendeu a ocorrência, o homem estava transtornado. "Dizia o tempo todo que queria fazer na avó um transplante para trazê-la de volta à vida porque sentia muita saudade. Ele disse que iria doar todos os seus órgãos a ela”, afirma o tenente Paulo Araújo, da 2ª Cicom.

O homem foi visto pelo moradores da região conhecida como Beco dos Pretos, no Centro de Manaus. Eles acionaram a Polícia e o jovem chegou a ser amarrado a um poste para que pudesse ser contido. A Polícia informou que o corpo da idosa foi devolvido à sepultura.

Os familiares informaram que o homem possui problemas psiquiátricos e tem o costume ir até o cemitério para conversar com a avó e outros parentes no local. A idosa morreu em 2018 e estava enterrada no cemitério Morro da Liberdade. Em outras ocasiões, ele já havia tentado retirar o cadáver da avó do local.

O homem foi levado para um pronto socorro para atendimento, mas assim que receber alta, deve prestar depoimento. De acordo com o delegado do 1° Distrito Integrado de Polícia (DIP), se comprovado o transtorno psiquiátrico, o homem não deve ser punido judicialmente."O indivíduo em questão não tem essa condição de receber uma sanção penal. Talvez receba uma medida de segurança”, afirmou.

TAGS