PUBLICIDADE
Brasil
NOTÍCIA

UFRJ só retomará as aulas presenciais neste ano se houver vacina ou remédio para Covid-19

Universidade discute, agora, o retorno de parte das atividades no formato remoto. Para isso, foi criada a Comissão de Formas Alternativas de Ensino

Gabriela Feitosa
10:35 | 16/06/2020
UFRJ só retoma atividades presenciais se tiver vacina (Foto: Reprodução/Twitter)
UFRJ só retoma atividades presenciais se tiver vacina (Foto: Reprodução/Twitter)

A reitoria da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) disse que só retomará aulas em formato presencial neste ano se houver vacina ou remédio para a Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Por enquanto, a instituição estuda formas de ensino remoto para parte das atividades. Para isso, foi criada a Comissão de Formas Alternativas de Ensino.

A universidade deu esta e outras informações em nota divulgada na segunda, 15. Nesta terça, 16, UFRJ completa 90 dias sem atividades não essenciais, que precisaram ser adiadas devido pandemia. No texto, a UF reforçou que ainda existem muitas incertezas sobre quando ou como ocorrerá o retorno presencial, "mas a Administração Central da Universidade tem agido de maneira responsável, sempre baseada em critérios técnico-científicos, desde o início da pandemia".

Mais recentemente, o Grupo de Trabalho Pós-Pandemia foi constituído, sob a coordenação da Pró-Reitoria de Planejamento, Desenvolvimento e Finanças (PR-3), para estudar as fases de um retorno gradual e definir os cuidados adicionais necessários à condução segura das atividades. Esse grupo mantém estreita interlocução com o Grupo de Trabalho Multidisciplinar sobre o Coronavirus Disease-19 (Covid-19), composto por especialistas das diferentes áreas da UFRJ. "Em breve, serão propostas as fases para o retorno progressivo na pós-pandemia. Pretendemos ter um plano de retorno que seja referência para o estado do Rio de Janeiro, com base no diálogo permanente dentro e fora da comunidade universitária", diz o documento.

Por enquanto, a universidade garantiu que têm realizado debates com corpo docente, discente e técnico-administrativo sobre a transição de parte das atividades para os ambientes virtuais.

De acordo com nota, a ideia é garantir " inclusão, a qualidade das atividades acadêmicas e o apoio psicológico e de saúde mental ao corpo social neste cenário de exceção". Conforme reitoria, estão sendo apresentadas propostas, prazos e resoluções no âmbito do ensino, da pesquisa e da extensão. "Em todas as etapas de enfrentamento desta crise, as decisões colegiadas continuarão a ser respeitadas", garantiu.

É importante dizer que, se não houver alternativas, como a vacina ou medicamento eficaz contra a Covid-19, o retorno presencial completo não será possível no ano de 2020", reiterou o corpo gestor. Dessa forma, foi constituída a Comissão de Formas Alternativas de Ensino, sob a coordenação da Vice-Reitoria, que irá se debruçar sobre as demandas necessárias para a retomada das atividades acadêmicas de graduação, pós-graduação e extensão.

A nota finaliza questionando atitudes do poder público, "que poderiam levar à desestabilização da Universidade" e agradecendo trabalho do corpo de funcionários.