PUBLICIDADE
Brasil
NOTÍCIA

Caso Miguel: Sarí Côrte Real prestará depoimento nesta segunda-feira,15

Patroa da mãe de Miguel será ouvida pelo delegado Ramon Teixeira, após ficar em silêncio no dia em que foi presa em flagrante por homicídio culposo

08:55 | 15/06/2020
Sarí Corte Real, ex-patroa de Mirtes Renata, mãe do menino Miguel (Foto: Reprodução/Redes Sociais)
Sarí Corte Real, ex-patroa de Mirtes Renata, mãe do menino Miguel (Foto: Reprodução/Redes Sociais)

A empresária Sarí Côrte Real, autuada por homicídio culposo pela morte de Miguel Otávio Santana da Silva, de 5 anos, que caiu de um prédio de luxo na área central do Recife, prestará depoimento nesta segunda-feira, 14. Será a primeira vez que a patroa da mãe de Miguel vai falar sobre o caso, já que no dia em que foi presa em flagrante ela preferiu ficar em silêncio. A defesa de Sarí afirma que, desta vez, ela falará ao delegado Ramon Teixeira detalhes do caso.

Na última sexta-feira, 12, prestaram depoimento à polícia a manicure que atendia Sarí no momento do acidente e um funcionário do edifício. A manicure não quis falar com a imprensa sobre o caso. Ela estava acompanhada de pelo menos dois advogados. Já o gerente de operações do prédio, Thomaz Silva, disse que não iria sair em defesa de ninguém, mas afirmou que Sarí ajudou a mãe a socorrer a criança.

Apesar de ter sido autuada em flagrante, a primeira-dama de Tamandaré não ficou presa. Ela pagou fiança de R$ 20 mil e foi liberada pela polícia. Na saída, também não quis falar com os jornalistas.

LEIA TAMBÉM | "Perdoar seria matar o Miguel novamente", diz mãe do menino, em carta à ex-patroa

O condomínio onde Miguel morreu já passou por três perícias desde o último dia 2 de junho. Ainda não há informações de quando os laudos serão entregues ao delegado.

Caso Miguel

 

 

O menino Miguel era filho de Mirtes Renata Santana de Souza, empregada doméstica de Sarí Côrte Real, esposa do prefeito de Tamandaré, Sérgio Hacker (PSB). Mirtes havia deixado o filho sob a responsabilidade da patroa e desceu para passear na rua com o cachorro da família. Ao voltar para o prédio, ela se deparou com o filho praticamente morto. Miguel morreu no Hospital da Restauração. Para a mãe de Miguel, faltou paciência da patroa com o filho.

LEIA TAMBÉM | Primeira-dama acusada no caso Miguel está cadastrada no auxílio emergencial, diz portal

Via Rede Nordeste