PUBLICIDADE
Brasil
Noticia

Assessor de deputado do PSL é investigado por atirar em cachorro em São Paulo

Rodolfo Laterça teria disparado contra um cachorro da raça Golden Retriever no último dia 21 de fevereiro. Polícia apreendeu arma que teria sido usada contra o animal, na casa do assessor

00:00 | 29/02/2020
Disparo ocorreu no dia 21 de fevereiro. Acusado, Rodolfo Laterça alegou legítima defesa
Disparo ocorreu no dia 21 de fevereiro. Acusado, Rodolfo Laterça alegou legítima defesa (Foto: Arquivo Pessoal)

Rodolfo Laterça, assessor parlamentar do deputado Estadual Anderson Moraes (PSL) é investigado por atirar contra um cachorro em Campos do Jordão, em São Paulo. Nesta sexta, 28, a Polícia Civil apreendeu uma arma na casa de Rodrigo. Embora tenha confessado o disparo, o assessor alegou legítima defesa. O fato ocorreu no dia 21 de fevereiro, no imóvel de Laterça. O animal, da raça Golden Retriever, pertence ao dono de uma pousada vizinha ao imóvel.

“Estava chovendo e o cachorro estava brincando com as crianças que estavam hospedadas na pousada. De repente, ouvimos um barulho, como um raio, fui procurar pelo cachorro e o encontrei ensanguentado”, contou Bernard Contipelli, o dono da pousada, em entrevista ao portal de notícias G1.

Após a identificação do suspeito, a Justiça expediu mandado de busca e apreensão da arma, que foi encontrada nesta sexta, 28, na casa do assessor parlamentar. Ele é Inspetor de Segurança da Secretaria de Administração Penitenciária do Estado do Rio de Janeiro, mas é assessor do gabinete do deputado Anderson Moraes (PSL) desde fevereiro de 2019.

Logo após ser atingido, o animal foi socorrido e encaminhado ao veterinário, onde foi identificado um ferimento causado por disparo de arma de fogo. O cachorro sofreu duas paradas cardíacas e logo em seguida passou por uma cirurgia. Após ficar sabendo do ataque, o dono do animal descobriu que o caso havia acontecido na casa vizinha à pousada dele e logo depois chamou a Polícia. O cão teve alta do procedimento e passa bem.

Ao G1, a Polícia também afirmou que Laterça se apresentou na delegacia logo após a apreensão e alegou que passava férias com a família no local e que o disparo foi feito por legítima defesa. No seu depoimento, disse que as filhas brincavam no quintal quando foram surpreendidas pelo animal. Elas gritavam por ajuda e então ele fez o disparo.