PUBLICIDADE
Brasil
NOTÍCIA

Trabalho de cientistas cearenses sobre derrame de óleo na costa do Brasil é publicado na revista Science

No artigo, os especialistas criticam a fraca atuação e demorada resposta do Governo Federal no desastre que prejudicou pelo menos 130 municípios brasileiros desde setembro

Lucas Braga
19:22 | 10/01/2020
MANCHAS DE ÓLEO registradas na praia do Cumbuco, Caucaia, em novembro último
MANCHAS DE ÓLEO registradas na praia do Cumbuco, Caucaia, em novembro último (Foto: ALEX GOMES/05-11-2019)

Artigo científico de pesquisadores do Instituto de Ciências do Mar da Universidade Federal do Ceará (Labomar/UFC) foi publicado nesta sexta-feira, 10, na revista norte-americana Science, uma das mais prestigiadas do mundo. O trabalho aborda o desastre do derrame de óleo na costa do Brasil, no fim de agosto e início de setembro de 2019. Veja a publicação clicando aqui (em inglês). 

Existiram outros grandes derramamentos de óleo como o Deepwater Horizon, nos Estados Unidos, e outros em águas temperadas, na costa de países desenvolvidos. Mas, de acordo com a publicação, o óleo que chegou às praias do Nordeste e Sudeste do Brasil representou o mais extenso e severo desastre ambiental da história da humanidade nos oceanos tropicais.

“O nosso caso tem graves impactos sociais e econômicos, pelos prejuízos ao turismo, à pesca e à segurança alimentar. E impactos ecológicos nos ecossistemas tropicais, dos quais temos pouco conhecimento”, conta um dos autores do artigo, Marcelo de Oliveira Soares, professor do Labomar. Ele exemplifica que esses ecossistemas são mangues, praias, recifes de corais, bancos de gramas marinhas (onde peixes-boi se alimentam), bancos de algas (onde a lagosta vive).

A pesquisa é assinada ainda pelos professores do Labomar Carlos Eduardo Peres Teixeira, Rivelino Martins Cavalcante e Luís Ernesto Arruda Bezerra, além da bióloga Tallita Cruz Lopes Tavares e do professor visitante na UFC Sergio Rossi, da Universidade de lecce (Itália).

A publicação questiona a resposta “lenta e ineficiente” do Governo Federal, pela falta de transparência, baixa articulação, não aplicação do Plano Nacional de Contingência e a extinção dos comitês. Critica ainda os danos nos cortes de recursos para a Ciência e desmantelamento das políticas ambientais no País.

“As praias e os alimentos estão contaminados? De onde o óleo veio? Quem é o responsável? Quanto óleo tem no fundo do mar? Isto é importante para a sociedade, mas não temos recurso para pesquisa. Até agora não temos dados de contaminação e como isto vai nos afetar na próximas décadas”, lamenta Marcelo.