Participamos do

Em carta ao Papai Noel, menino pede cesta de alimentos para a família

Gabriel tem apenas 10 anos e poderia ter pedido brinquedo ao Papai Noel, mas o que ele solicitou na cartinha foi uma alimentação digna para a família e dois pares de chinelos
14:29 | Nov. 21, 2019
Autor Walber Freitas
Foto do autor
Walber Freitas Repórter
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Nem era brinquedo, muito menos um jogo tecnológico, Gabriel, de apenas 10 anos, pediu uma cesta de alimentos para a família em carta escrita ao Papai Noel. Entregue a policiais militares de Peruíbe, no litoral de São Paulo, a correspondência deveria ser entregue aos Correios, mas acabou sensibilizando o batalhão policial da cidade.

“Papai Noel, mande aqui para a minha casa uma cesta de alimentos”, pediu o menino. A mãe solicitou aos policiais que patrulhavam a área que levassem a carta, mas não sabiam a quem ela estava endereçada.

Clique na imagem para abrir a galeria

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

“Ela [a mãe do garoto] não explicou muito, só pediu para levar. Quando olhei atrás, o remetente era o Papai Noel. Imediatamente, sabíamos que a carta iria para a campanha de Natal dos Correios. A mãe do menino viu a viatura em patrulhamento e pediu ajuda. Pensamos até que era alguma ocorrência, mas ela pediu que a gente levasse uma carta a uma agência dos Correios na cidade”, conta o soldado Fabiano Santil, em entrevista à TV Tribuna, afiliada da Rede Globo.

A campanha Papai Noel dos Correios recebe cartinhas que são enviadas para diversas empresas do País. Um funcionário adota e presenteia a criança.

Mas, os policiais acabaram abrindo a carta e se emocionaram com os pedidos, o que levou ao batalhão inteiro a presentear Gabriel.

“Nós esperávamos ler a carta com um pedido de brinquedo, algum jogo e, quando abrimos, ele pedia comida para a família passar o Natal e dois pares de chinelo, um para ele e outro para o irmão, que tem autismo. Me deu um nó na garganta. Nós temos filhos e é muito triste ver uma criança pedindo comida para a família”, detalha o soldado Fabiano Santil.

Foi então que os policiais compraram uma cesta básica e os calçados pedidos, além de doces. Segundo Fabiano, durante a entrega, que aconteceu no mesmo dia, as crianças ficaram felizes.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags