PUBLICIDADE
Brasil
NOTÍCIA

Enem aborda violência contra mulher e cita música Erotica, de Madonna

Cazuza e Naiara Azevedo também tiveram músicas abordadas na prova. Em anos anteriores, o então deputado Jair Bolsonaro fez críticas ao conteúdo das provas, motivo pelo qual se criou expectativa diante deste Enem

16:34 | 03/11/2019
Estudantes fizeram a prova nos dias 3 e 10 de novembro. (Foto: MAURI MELO/O POVO)
Estudantes fizeram a prova nos dias 3 e 10 de novembro. (Foto: MAURI MELO/O POVO)

A prova de Ciências Humanas, Linguagens e Redação deste domingo, 3, primeiro dia de Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), abordou temas como violência contra a mulher, liberdade de expressão e bullying. A violência contra mulheres foi tratada por meio da canção "Coração pede socorro", da cantora Naiara Azevedo. A música foi usada em campanha do Governo Federal em 2018. O tema da redação, a democratização do acesso ao cinema, surpreendeu professores.

Segundo site do O Globo, pelo menos seis enunciados citaram comportamento nas redes sociais. A exposição de crianças e adolescentes foi tratada numa das questões.

Trecho de Blues da Piedade, de Cazuza, foi abordado na prova de Linguagens. Vamos pedir piedade/Senhor, piedade!/Pra essa gente careta e covarde", diz um dos trechos da música. A música Erotica, de cantora americana Madonna, também apareceu no exame.

Em anos anteriores, o então deputado Jair Bolsonaro fez críticas ao conteúdo das provas, motivo pelo qual se criou expectativa diante deste Enem. O militar reformado apontava que as questões eram carregadas de ideologizações à esquerda.

Pela terceira vez fazendo o Exame, Yara Fernandes, 18 anos, disse que se surpreendeu com a variedade de temas. "Principalmente em relação ao feminismo, que vi que tinha, em relação ao patriarcado, achei bem abrangente", disse a jovem ao sair da Universidade de Fortaleza (Unifor), local da prova. Ela pretende cursar Medicina Veterinária.

Wesley Soares, 18 anos, fala que a prova "foi razoável", mas admite que não esperava o tema da redação. "Achei muito difícil, é um tema que poucos professores passam. Esperava mais sobre o aborto, violência contra a mulher, mas não esse tema."