PUBLICIDADE
Brasil
Noticia

Ladrões roubam cadeira de rodas de menina com paralisia cerebral

A mãe da menina apelou para a devolução da cadeira, que não pode ser facilmente substituída por outra já que possui adaptações especiais para a condição da filha

09:43 | 10/10/2019
Segundo a mãe, além de paralisia cerebral,  a menina enfrenta problemas no quadril e na coluna
Segundo a mãe, além de paralisia cerebral, a menina enfrenta problemas no quadril e na coluna(Foto: Reprodução/Arquivo pessoal)

Uma garota de 15 anos com paralisia cerebral teve sua cadeira de rodas roubada do carro da mãe na noite de terça-feira, 8, em Belo Horizonte, Minas Gerais. Os ladrões levaram a estrutura da cadeira, mas deixaram as rodas no local. As informações são do portal G1.

O veículo estava sendo utilizado pelo irmão da menina, que estacionou próximo à faculdade em um bairro da zona norte da capital mineira. Ali, o automóvel foi invadido. Em postagem no Facebook, a mãe, Patrícia Nazareno, apelou para a devolução da cadeira, que não pode ser substituída por outra adquirida em lojas de equipamentos do gênero já que possui adaptações especiais para a condição da filha.

Na quarta-feira, 9, Patrícia informou que uma família doou através da AMR uma cadeira de rodas semelhante à da filha, que vai precisar de poucas adaptações
Na quarta-feira, 9, Patrícia informou que uma família doou através da AMR uma cadeira de rodas semelhante à da filha, que vai precisar de poucas adaptações (Foto: Reprodução/Arquivo pessoal)

“Para quem roubou ou vai vender no ferro velho, é só dinheiro, eu pago”, escreveu a mulher na rede social. O objeto roubado foi doado pela Associação Mineira de Reabilitação (AMR), por ter sido feita especificamente para a garota, não pode ser usado por outra pessoa. Com as especificidades, uma cadeira nova produzida sob encomenda pode levar até 30 dias para ser concluída. "Nesse período minha filha vai perder escola, fisioterapia e tem que ficar o tempo todo deitada. Um mês para ela assim é muita coisa”, explicou Patrícia.

Segundo a mãe, além de paralisia cerebral, a menina enfrenta problemas no quadril e na coluna. Patrícia registrou boletim de ocorrência e disponibilizou o contato para quaisquer informações. Na quarta-feira, 9, informou que uma família doou através da AMR uma cadeira de rodas semelhante à da filha, que vai precisar de poucas adaptações. Ainda assim, continua a buscar a cadeira roubada.