PUBLICIDADE
Brasil
NOTÍCIA

Antropólogo homenageado diz que silêncio é marca do racismo no Brasil

18:46 | 13/05/2019

Antropólogo e professor da Universidade de São Paulo (USP), Kabengele Munanga é Originário do Congo, professor e desenvolve pesquisas sobre populações afro-brasileiras na USP desde a década de 1970. Ele foi um dos homenageados na Faculdade de Direito da USP, durante a abertura de dois dias de seminário sobre discriminação racial. Ao comparar as discriminações contra negros e indígenas no Brasil, Munanga afirmou que uma das peculiaridades desses processo no país é “o silêncio, o não dito, que confunde todos os brasileiros e brasileiras vítimas e não vítimas.”

Para Munanga, o “racismo à brasileira mata duas vezes”. “Mata fisicamente, como mostram as estatísticas do genocídio da juventude negra em nossas periferias, mata na inibição da manifestação da consciência de todos, brancos e negros, sobre a existência do racismo em nossa sociedade”, enfatizou.

Falta no país, na avaliação do especialista, a consciência sobre a dimensão do problema. O que é, segundo o antropólogo, um obstáculo ao enfrentamento do racismo no país. “Daí a dificuldade de lutar contra uma injustiça social não admitida pela maioria da população, por alguns de seus dirigentes, alguns intelectuais e pela grande imprensa formadora de opinião formadora de opinião sobre os problemas da sociedade”, destacou.

Mito da democracia racial

Essa falta de entendimento vem, segundo Munanga, do fato que o Brasil, ao contrário de outros países, não estabeleceu leis de segregação racial durante o século 20. “No Brasil, o racismo é implícito, de fato, e nunca institucionalizado, oficializado com base nos princípios racialistas da pureza de sangue e da inferioridade racial. Por causa dessa ausência de leis segregacionistas os brasileiros não se consideram racistas quando se comparam aos norte-americanos, sul-africanos e alemães nazistas”, analisou.

“Assim, ecoa dentro de muitos brasileiros uma voz muito forte que grita: ‘não somos racistas, racistas são os outros’. Essa voz forte e poderosa é o que eu chamo de inércia do mito de democracia racial”, acrescentou o antropólogo sobre a ideia que não existiria racismo no Brasil por ser um país com grande população miscigenada.

Conscientização

O ministro Ricardo Lewandowski destacou a contribuição dos trabalhos de Munanga justamente para desconstruir o mito da democracia racial. O ministro, que também é professor da USP, destacou que o racismo também se manifesta na ausência de negros em instâncias importantes de tomada de decisão na sociedade. “Os negros, infelizmente, apesar de serem uma ampla maioria em termos da nossa população estão sub-representados em várias instituições importantes: na academia, nas Forças Armadas, no Poder Judiciário. São as maiores vítimas do desemprego, da violência criminal e urbana”, ressaltou.

Lewandowski ressaltou que há uma disputa continua na sociedade, mas que tem havido conquistas nos últimos anos. “Apesar dos retrocessos, nós temos observado muitos avanços, especialmente pela conscientização, não só de negros, mas de todos aqueles que estão irmanados com esse esforço de transformar esse país em um país mais justo, fraterno e solidário.”

Agência Brasil