PUBLICIDADE
Brasil
Crime

PM suspeito de agredir dona de lanchonete por pedido vir errado tem prisão convertida em flagrante

Crime ocorreu na madrugada da última quinta-feira, 21, e foi gravado por câmeras de segurança interna do estabelecimento

18:15 | 23/03/2019

A prisão administrativa do policial militar Augusto César Lima Santana foi convertida para prisão em flagrante. O PM lotado no 9º Batalhão da Polícia Militar (BPM) é suspeito de agredir a funcionária de uma lanchonete no Rio de Janeiro.

Agressão em lanchonete
Agressão em lanchonete (Foto: REPRODUÇÃO/VÍDEO)

O crime ocorreu na madrugada da última quinta-feira, 21, e foi gravado por câmeras de segurança interna do estabelecimento. Nas imagens, é possível ver o homem entrando na lanchonete, e discutindo com a mulher.

A gravação mostra, ainda, o homem a segurando pelo cabelo e a jogando no chão. Caída, ela leva golpes na cabeça e chutes, sendo arrastada pelo cabelo até a porta.

O PM foi ouvido na 2ª Delegacia de Polícia Judiciária Militar (DPJM) e, em seguida, conduzido a 32ª DP (Taquara), responsável pela investigação.

A secretaria informou ainda que "em paralelo às investigações da Polícia Civil, foi aberto um procedimento apuratório da corporação para apurar as circunstâncias do fato".

Conforme a Secretaria de Polícia Civil, em princípio, o autor será indiciado pelos crimes de lesão corporal, injúria, ameaça e crime de falsa identidade. A vítima contou à Polícia que o homem alegou, no momento da agressão, que seria delegado da Polícia Federal.

A esposa do agressor teria feito um pedido por aplicativo, mas o produto entregue teria sido diferente. Ao ligar ao estabelecimento para reclamar, o homem xingou a vítima e disse que mandaria uma viatura para buscá-la.

Ainda conforme a vítima, o PM teria rendido os motoboys ao chegar armado na lanchonete. "Ele já 'virou' a mão na minha cara, me pegou dentro do balcão, me arrastou pelo cabelo até a calçada, e (foi) chute na costela, chute na cara", disse ao portal G1. "Botou a arma na minha cabeça, botou a arma no meu pescoço, enfim. Eu desmaiei, não me lembro mais de nada".

Redação O POVO Online