PUBLICIDADE
Brasil

Público lota sambódromo no desfile das campeãs do carnaval do Rio

13:34 | 10/03/2019
Mocidade A primeira a entrar na avenida foi a Mocidade Independente de Padre Miguel, que ficou em sexto lugar este ano, com o enredo Eu Sou o Tempo, Tempo É Viida. Como um agrado a quem estava no Setor 1, o mais popular da avenida, a comissão de frente fez a coreografia completa e foi ovacionada pela arquibancada. Saulo Finelon, que junto com Jorge Teixeira é coreógrafo da comissão de frente da Mocidade, disse que a apresentação para esse público é especial. “É o nosso termômetro e eles precisam disso. Esperam o ano inteiro por isso”, afirmou. Salgueiro Portela A porta-bandeira Lucinha Nobre, que com Marlon Lamar conquistou nota máxima dos jurados, contou que a preparação para representar Clara Nunes começou em outubro. “Foi muito trabalho, mas especial porque representar a Clara é uma emoção muito grande. Estou muito feliz de ter realizado este trabalho, com apoio dessas meninas lindas da comissão de frente porque ensaiei com elas”, destacou. Na preparação, Lucinha assistiu a vídeos da cantora para aprender os trejeitos dela e até a cor do cabelo mudou para ficar mais parecida com Clara. No alto do abre-alas, duas figuras de destaque da Portela: Monarco e Tia Surica, que arrancaram aplausos do público e muitas fotos sempre que eram reconhecidos na alegoria. No meio do desfile, no terceiro setor do enredo que representava a brasilidade mineira uma componente da ala Folia de Reis carregava um cartaz: Mariana Resiste, em alusão ao rompimento da barragem em novembro de 2015. Vila Isabel O desfile luxuoso da azul e branco de Vila Isabel voltou para a avenida e encantou o público mais uma vez, com a combinação da cidade serrana de Petrópolis, a realeza e o samba da terra de Noel. O enredo Em Nome do Pai, do Filho e dos Santos - A Vila Canta a Cidade de Pedro trazia logo na comissão de frente uma visita ao Palácio Imperial.  Como disse o coreógrafo Patrick Carvalho, os componentes, sem preocupação com os jurados, se apresentaram para a plateia. O presidente da escola, Fernando Fernandes, disse que a apresentação deste ano foi resultado de um trabalho de reorganização da escola. “Fizemos as mudanças que deveriam ser feitas e, no ano que vem, a Vila vem mais forte ainda”, afirmou. Apesar de destacar a ida de profissionais para a escola que garantiram os pontos que a levaram ao terceiro lugar no carnaval de 2019, o presidente não confirmou a continuidade da equipe. “Vamos aguardar. Vai ter mudanças”, adiantou. À frente da bateria, mestre Macaco Branco, que pela primeira vez comandou os ritmistas, estava feliz com o desfile da escola e com reconhecimento que ganhou na sua estreia. Ele foi premiado com um Estandarte de Ouro, dos jornais O Globo e Extra. “Não tem preço que pague. É muito satisfatório representar a minha comunidade. Graças a Deus deu tudo certo”, afirmou, ao lado do filho Enzo, de 8 anos, que imitava os gestos do pai. Viradouro Mangueira Mesmo perto de amanhecer e depois de já ter assistido a cinco desfiles, o público não se conteve quando o locutor oficial do Sambódromo anunciou o nome da Mangueira, a campeã de 2019, que apresentou o enredo História pra Ninar Gente Grande. No esquenta para o início do desfile, o intérprete Marquinho Art’Samba cantou sambas-enredo de outros campeonatos da verde e rosa, como A Menina dos Olhos de Oyá, em homenagem à cantora baiana Maria Bethânia (2016), e o samba exaltação Sei lá, Mangueira, composto por Paulinho da Viola e Hermínio Belo de Carvalho. Nos primeiros versos – Mangueira teu cenário é uma beleza – o público se empolgou. Priscila Motta, que assinou a coreografia da comissão de frente com o marido Rodrigo Neri, comemorou o campeonato da escola e a nota máxima, na estreia do casal na Mangueira. “[Houve] uma cobrança muito grande para a gente porque, quando fomos convidados para vir para a Mangueira, esperavam que a gente trouxesse para o quesito a nota máxima e ajudasse a escola a ser campeã. A gente conseguiu. Graças a Deus, deu tudo certo. O enredo é lindo e estar na Mangueira é um sonho, uma realização pessoal e profissional”, afirmou Priscila. Durante o período de preparação da comissão de frente, nasceu Davi, filho dos coreógrafos. O ator Antônio Pitanga disse que o enredo destacou lideranças de mulheres, negros e índios. “A Mangueira é a única escola que realmente pode revelar e tirar de debaixo do tapete a história real, não a história escrita pelo colonizador”, afirmou. “Somos Marias, somos brasileiras e mangueirenses. É o resultado que a gente tem que mostrar ao Brasil. Lutar e acreditar”, disse a gestora cultural Elisa Santos. No fim do desfile, a equipe de segurança da Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa) teve que fazer um cordão de isolamento para conter um verdadeiro bloco que se formou atrás da Mangueira invadindo a pista. Muitas pessoas que estavam nos camarotes, frisas e arquibancadas aderiram à multidão seguindo a verde e rosa.  

Agência Brasil