PUBLICIDADE
Notícias
RIO DE JANEIRO

Mortos em incêndio no CT do Flamengo começam a ser identificados

Seis dos 10 mortos na tragédia têm nome confirmado; outros três estão feridos, mas apenas um em estado grave

11:43 | 08/02/2019
Foto aérea mostra como ficou o centro de treinamento do Flamengo após incêndio. Dez pessoas morreram (Foto: Thiago Ribeiro/AFP)
Foto aérea mostra como ficou o centro de treinamento do Flamengo após incêndio. Dez pessoas morreram (Foto: Thiago Ribeiro/AFP)

Atualizado às 12h06min

Os nomes de seis dos 10 mortos em incêndio ocorrido no Ninho do Urubu, centro de treinamento do Flamengo, foram confirmados. O caso aconteceu na manhã desta sexta-feira, 8, no Rio de Janeiro. O canal SporTV informou que os mortos são quatro funcionários e seis atletas, segundo a AFP.

As vítimas confirmadas são: Arthur Vinícius de Barros Silva Freitas, que faria 15 anos um dia depois do incêndio; Athila Paixão, de 14 anos; Bernardo Pisetta, 14 anos; Christian Esmério, 15 anos; Pablo Henrique da Silva Matos, 14 anos; e Vitor Isaías, 15 anos. A informação é do fim desta manhã.

Christian Esmério era goleiro e já havia recebido convocações para a seleção brasileira. No Instagram do jovem, é possível ver fotos dele vestindo a camisa da Seleção em treinamento e ao lado do técnico Tite.

Segundo informações do portal G1, Áthila Paixão era de Lagartense, Sergipe. Arthur Vinicius era de Volta Redonda, no RJ. Bernardo Pisetta e Vitor Isaías nasceram em Santa Catarina. Pablo Henrique era de Minas Gerais e morava no centro de treinamento.

Três outras pessoas ficaram feridas na tragédia, uma delas em estado grave. Jhonatan Ventura, de 15 anos, está internado e tem quase metade do corpo queimado.

Outros dois feridos, ambos cearenses, passam bem, mas estão em observação por terem respirado muita fumaça. São eles: Cauan Emanuel Gomes Nunes, de 14 anos, e Francisco Dyogo Bento Alves, de 15, que teve queimaduras na mão.

O pai de Dyogo falou ao Esportes O POVO e disse que o rapaz dará continuidade ao sonho de ser profissional.

Redação O POVO Online