PUBLICIDADE
Notícias

Vítima de racismo em ônibus, jovem denuncia idosa nas redes sociais; veja vídeos

Caso aconteceu em São Paulo. Vítima fez denúncia à Polícia, idosa foi detida e só liberada mediante fiança

17:21 | 26/07/2018
Um caso de discriminação racial em São Paulo ganhou grandes proporções nas redes sociais. Uma jovem foi agregida fisicamente e com palavras racistas por uma idosa em ônibus. Após a confusão no coletivo, a agressora foi detida pela Polícia e liberada depois de pagamento de fiança. A youtuber Alanne França afirmou no Twitter que processará mulher na Justiça.
 
O caso foi contado pela própria vítima na sua conta no microblog. Ela alega que, desde que a mulher subiu no ônibus e sentou ao seu lado, a empurrava com a bolsa para que "não encostasse nela". O estopim para os insultos racistas aconteceu quando a jovem foi apaziguar uma confusão envolvendo essa idosa, que teve o pé pisado por outra pessoa do ônibus.
 
[VIDEO1]  
 
"Como o ônibus estava lotado, pisou no pé dela mesmo ela estando sentada. Ela começou gritar, mandar a menina se f..., tomar no c..., enquanto a menina pedia desculpas sem parar. Eu calma estava e calma continuei, e disse 'senhora não precisa xingar assim, ela já pediu desculpas'", afirma em uma das postagens.

A raiva da agressora, então, teve novo alvo. "Ela empurrou minha mão e começou gritar comigo com os dizeres 'macaca, preta nojenta, desencosta de mim macaca dos infernos'. Todos no ônibus começaram dizer que ela era racista, ela só respondia 'olha pra ela, olha essa preta nojenta'", conta.
 
[VIDEO2] 
"Quando a afastaram de mim, ela simplesmente tirou os sapatos que calçava e jogou eles em mim, enquanto disse 'se você gosta tanto de defender, tinha que começar se defendendo nascendo branca'", escreveu a vítima.
 
[VIDEO3] 
 
[VIDEO4] 
Além dos insultos, a jovem relata que foi agredida fisicamente pela idosa, que depois tentou fugir, mas foi impedida pelo motorista do ônibus que deixou as portas fechadas. Em vídeo, a vítima denuncia a agressão.
 
[VIDEO5] 
A confusão foi terminar no 99º Distrito Policial, em São Paulo. Lá, a idosa e a jovem prestaram depoimento e a agressora foi liberada após pagar fiança. "Tenho vídeos, provas, testemunhas, confissão, mas a própria filha disse que 'não pode provar agora mas ela tem Alzheimer', que se for provado, eu não vou ser nada além de estatística", desabafou a vítima na rede social.

Redação O POVO Online
TAGS