PUBLICIDADE
Brasil
ativismo

Malala financiará projeto educacional em Pernambuco por três anos

O projeto, que está sendo discutido há dois meses, tem como objetivo mobilizar meninas para atuarem na construção de políticas públicas

09:29 | 11/07/2018

Na terça-feira (10), Sylvia Siqueira Campos, presidente da entidade que será ajudada por Malala, esteve com a paquistanesa em Salvador, na Bahia (Foto: Divulgação/ Mirim Brasil)
 

Fundado em 1990, com a missão de lutar pelos direitos humanos com foco na infância, adolescência e juventude, o Movimento Infantojuvenil de Reivindicação (Mirim Brasil), que atua em Pernambuco, foi uma das três entidades escolhidas no País para receber financiamento do Fundo Malala, através da Rede Gulmakai. O anúncio foi feito nessa terça-feira (10). A ativista paquistanesa Malala Yousafzai, 20 anos, está em sua primeira passagem pelo Brasil. Durante palestra, na última segunda-feira (9), ela anunciou que encontraria meios para garantir educação a 1,5 milhão de meninas que estão fora das salas de aula no País.

De acordo com a presidente da entidade pernambucana, a jornalista Sylvia Siqueira Campos, o apoio será dado a um projeto com duração de três anos, que já vem sendo discutido há cerca de dois meses. Os detalhes ainda não podem ser divulgados, mas o trabalho terá como foco a formação e mobilização de meninas para atuarem na construção de políticas públicas no Estado. A prioridade é trabalhar com meninas negras, quilombolas e indígenas, aquelas que mais sofrem violação de direitos. Em quase 28 anos de atuação, a ONG já atingiu mais de 20 mil crianças e jovens de comunidades carentes do Estado.

Além da Mirim Brasil, duas ONGs brasileiras receberão apoio do Fundo Malala. Uma delas é a Associação Nacional de Ação Indigenista (Anaí), criada em 1979 e oficializada em 1992. A ONG atua em Salvador, na Bahia, com foco na educação de meninas indígenas. A outra é a Ação Educativa, de São Paulo, fundada em 1994, que realiza atividades de formação e apoio a grupos de educadores, jovens e agentes culturais.

Este é o primeiro investimento do Fundo Malala na América do Sul. Atualmente, a Rede Gulmakai tem cerca de 20 integrantes e atua em seis países: Afeganistão, Líbano, Índia, Nigéria, Paquistão e Turquia.

Na terça-feira, Sylvia esteve em Salvador, durante a visita de Malala à capital baiana. A agenda da paquistanesa no Brasil não foi divulgada. Mas, para a ativista pernambucana, a escolha do País já tem um valor muito grande. “Desde o que aconteceu com ela (o atentado em 2012), Malala passa seu aniversário visitando um local onde ela ainda não foi. Desta vez, o Brasil foi escolhido para travar a luta dela pelo direito a educação de meninas.” 

Malala

Malala Yousafzai, que completa 21 anos nesta quinta-feira (12), se tornou a mais jovem vencedora do Prêmio Nobel da Paz, em 2014. O reconhecimento veio dois anos após o atentando que quase tirou a sua vida. A menina, que aos 11 anos, escrevia para um blog sob o pseudônimo Gul Makai, denunciando as limitações impostas pelo Talibã às meninas no Paquistão, foi vítima de um ataque enquanto ia para a escola, em 2012, aos 15 anos. Ela sobreviveu e foi levada para a Inglaterra. Desde então, seu nome é símbolo de luta pela educação de meninas ao redor do mundo. "São meninas que estão tendo o seu direito negado, como ocorreu comigo. Quero, com vocês, encontrar formas de garantir que tenham acesso a uma educação de qualidade, que significa dar condições a elas de saber ler e escrever e também de sonhar", afirmou a ativista durante palestra em São Paulo, na segunda-feira.

JC – Como é o trabalho realizado pelo Mirim em Pernambuco e no Brasil?

SYLVIA SIQUEIRA CAMPOS – Ao longo de 28 anos, realizamos um trabalho de educação em direitos, para promover cidadania ativa entre crianças, adolescentes e jovens. É uma luta por direitos. Não basta ter estudos. O ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente), faz 28 anos nesta sexta-feira e tem sido muito pouco aplicado. Por isso, precisamos trabalhar para articular os jovens na política pública. Fazemos isso através de ciclos de oficinas, seminários, arte e cultura. Atuamos em escolas, entidades comunitárias e associações de bairro.

JC – Por que você acredita que, entre tantas entidades brasileiras, o Mirim foi escolhido por Malala?

SYLVIA– Posso responder, porque ela mesma me disse isso hoje (ontem), durante o almoço aqui em Salvador. Ela disse que reconheceu na gente uma capacidade de incidência e mobilização que não viu em outras pessoas. Disse que viu nossos resultados e que fazemos tudo com amor. É um reconhecimento muito grande para nós, para um projeto que já vem sendo discutido há dois meses.

JC – Como será esse apoio oferecido pela Rede Gulmakai?

SYLVIA – O apoio virá em forma de financiamento de um projeto com duração de três anos. A gente não pode adiantar detalhes, mas posso dizer que ele irá atuar na mobilização de meninas com foco nas políticas públicas do Estado. A prioridade é trabalhar com meninas negras, quilombolas e indígenas.

JC – Malala disse que ajudaria os locais em situações mais complicadas no quesito educação. Como você avalia o cenário em Pernambuco?

SYLVIA – A educação pública tanto municipal quanto estadual é muito precária. Não adianta ter uma escola de referência, precisamos ter 100% das escolas de referência. Não podemos ter escolas para gringo ver, temos que ter escolas para pernambucanos estudarem. A educação não é prioridade do Estado do jeito que deveria ser, caso se quisesse quebrar o ciclo da pobreza.

JC – Como as meninas podem ser protagonistas dessa mudança?

SYLVIA – Na nossa visão, as meninas são as melhores pessoas para reivindicar essas mudanças. O Mirim será apenas uma plataforma para poder tornar a mudança mais forte. 

 

JC Online

Via Rede Nordeste