PUBLICIDADE
Notícias

Padre é condenado a mais de 33 anos de prisão por acusação de abusar de dois adolescentes

Os abusos aconteceram em 2017. Meninos denunciaram aos pais. O pároco está preso desde junho do ano passado. A defesa informou que irá recorrer

09:26 | 09/05/2018
NULL
NULL
[FOTO1]Marcos Roberto Ferreira, que era padre de paróquia em Joinville, Santa Catarina, foi condenado a 33 anos, dois meses e seis dias de prisão por abusar de dois meninos de 12 e 13 anos. Ele foi autuado por estupro de vulnerável contra os garotos, que frequentavam a igreja onde ele trabalhava em São Francisco do Sul. Informações são do portal G1. 

O padre está preso desde junho do ano passado, após os adolescentes denunciarem os abusos aos pais. Após investigações, a Polícia Civil emitiu laudos periciais com auxílio de um psicólogo e comprovaram as violações.
[SAIBAMAIS] 
A defesa do pároco diz que vai recorrer da sentença. A Diocese de Joinville afirma que repudia casos de pedofilia e diz que Marcos foi afastado desde que o caso veio à público, correndo um processo para que ele nunca vai exerça suas funções em qualquer igreja.
 
Marcos Roberto também já foi sentenciado a dois anos e quatro meses em regime semiaberto, com base no artigo 243 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), por fornecer bebida alcoólica a criança ou adolescente.
 
Os abusos  
 
Os assédios aconteciam na casa de Marcos, onde os meninos iam a pedido dele para uma espécie de "retiro espiritual". À época, o adolescente de 13 anos concedeu entrevista à NSC TV e contou que inicialmente o clima na casa do padre era "de diversão". O adolescente conta que depois o padre começou a insistir para eles passarem mais dias na casa dele.
 
No relato, o adolescente diz que o homem passava a mão na barriga dele e tentava tocar nos órgãos genitais do garoto. "Na terceira vez que ele fez força, eu não consegui tirar a mão", desabafa.
 
Em uma noite, um dos meninos conseguiu escapar do abuso. "Eu estava fazendo força para tirar a mão dele e então falei que precisava ir ao banheiro e, sem ele ver, fui com o meu celular.", relata. Por mensagem, ele pediu ajuda ao pai, que imediatamente foi até a casa buscá-lo. "Tô no banheiro agora. Pai vem me buscar por favor".
 
Redação O POVO Online 
 
TAGS