PUBLICIDADE
Notícias

Quantidade de indenizações pagas pelos Correios cresce mais de 1.000%

Após avaliação, usuários lesados em casos como o do incêndio no galpão de Fortaleza também são ressarcidos

17:18 | 16/02/2018
NULL
NULL

[FOTO1] 

A quantidade de indenizações pagas pela Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) cresceu 1.054,56% em cinco anos, segundo relatório de auditoria feita pelo Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU). Os processos envolvem atraso, extravio, roubo, avaria, espoliação e outros incidentes que prejudicam o consumidor.

Os dados mais recentes, divulgados no fim do ano passado, apontam que entre o período de 2011 a 2016, a despesa da estatal com indenizações cresceu de R$ 60,05 milhões para R$ 201,74 milhões. O aumento do valor é de 235,9%. Já a quantidade de indenizações não é informada no relatório, que cita apenas a alta de 1.054,56%. O POVO Online questionou os Correios e a CGU sobre esses números. A empresa disse que não poderia fornecer os dados por questões estratégicas. A CGU, contatada nesta quinta-feira, 15, informou que, atendendo pedido da estatal, não pode publicar os números.

Em situações como a que ocorreu no Centro de Triagem em Fortaleza na última terça-feira, 13, em que 90% do prédio foi consumido pelas chamas, os Correios realizam levantamento da carga postal destruída e efetuam o ressarcimento. O procedimento foi o mesmo realizado nos outros três incêndios registrados em unidades dos Correios nos últimos 13 meses, conforme mostrou O POVO Online.

Para Tadeu Oliveira, diretor do Sindicato dos Trabalhadores em Correios, Telégrafos e Similares do Estado do Ceará (Sintect-CE), além dessas destruições coletivas de produtos, atrasos, perdas e danos às entregas são reflexos da falta de investimento em profissionais. "Parece que a gestão federal da empresa prefere pagar indenizações, mostrar que os Correios estão quebrados e defender a privatização a realizar concurso e contratar material humano para oferecer um serviço público de qualidade", criticou.

[SAIBAMAIS] 

Defasagem

Desde 2011, a estatal não realiza certames para aumentar o quadro de funcionários. Segundo dados da Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect), a defasagem é de aproximadamente 20 mil profissionais. No relatório produzido pela Controladoria-Geral da União (CGU), a empresa aponta medidas para reduzir extravios.

A gestão anunciou um plano de avaliação de riscos no processo operacional, a implantação de controle de acesso às unidades de tratamento, carga e entrega, a realização de inspeções e a criação de interface de comunicação entre clientes e a empresa.

O POVO Online questionou os Correios sobre os motivos do aumento das indenizações e quais medidas são tomadas para frear o crescente número de casos. Contudo, a estatal informou que as respostas não podem ser disponibilizadas "em função do seu caráter estratégico". O número de quantas indenizações foram pagas nos períodos analisados não puderam ser informados à reportagem.

"Os dados consolidados em âmbito corporativo/nacional já foram disponibilizados em relatório tornado público pela CGU. Parte do conteúdo do relatório, considerado estratégico pelos Correios, foi suprimido a pedido da empresa, por razões de sigilo empresarial. Cabe mencionar que tais informações, mesmo no formato agregado, não são divulgadas pela grande maioria dos correios do mundo", informou em nota.

TAGS