PUBLICIDADE
Notícias

Ao recuperar celular e prender ladrão, PM descobre que vítima também havia sido estuprada

O cabo Josafá Batista ligou do celular roubado para o 190 e depois utilizou o número pessoal para tentar identificar o número. Para isso, ele explica que foi utilizado o atendimento de emergência da polícia

17:12 | 20/09/2017
NULL
NULL

[FOTO1]

Um policial militar prendeu um homem em Itaquecetuba que havia roubado o celular de uma jovem de 17 anos. Pelas mensagens no WhatsApp, o policial descobriu que a vítima também tinha sido estuprada por ele. Na Delegacia Central da cidade, o homem foi preso por roubo e estupro. A polícia suspeita que ele seja autor de outros estupros. As informações são do G1 de Mogi e Suzano.

O PM do 35º Batalhão, que realizou a abordagem do suspeito após a denúncia, utilizou o celular pessoal para averiguar o WhatsApp do aparelho roubado, que estava com a tela bloqueada por senha.

O cabo Josafá Batista ligou do celular roubado para o 190 e depois utilizou o número pessoal para tentar identificar o número. Para isso, ele explica que foi feito pelo atendimento de emergência da polícia. Já com o número na mão, o seu colega baixou mais um aplicativo WhatsApp e cadastou o número da vítima. Veio, então, uma mensagem com código no celular roubado permitindo a migração para o aparelho novo.

A partir disso, os policiais tiveram acesso às mensagens. Viram, então, no grupo da família, que além do roubo, a vítima também tinha sido estuprada enquanto ia para a escola. Como uma outra viatura da PM acompanhava no hospital uma vítima de estupro, eles entraram em contato e viram que se tratava da mesma pessoa.

O suspeito que não sabia destravar a tela que estava bloqueada, informar seu nome, nem de onde era e não mostrou documentos pessoais, impossibilitando ser localizado nos registros do Estado de São Paulo, teve sua prisão em flagrante, após o delegado, criar um RG Criminal, com informações passadas por ele, para viabilizar sua prisão em flagrante.

[FOTO2] 

O PM diz que muitas vítimas de estupro não denunciam por esse ser um crime muito invasivo, que causa certo constrangimento. Ele afirma que há outras vítimas do suspeito, e espera que após divulgação da foto, a polícia seja procurada para denúncias.

 

Redação O POVO Online

TAGS