PUBLICIDADE
Notícias

Autoescolas ainda não têm demanda após a exigência de habilitação das "ciquentinhas"

20:20 | 26/10/2016
Condutor dirigindo ciclomotor em via na capital
Condutor dirigindo ciclomotor em via na capital

[FOTO1]Os condutores de “cinquentinhas” (motocicletas de 50 cilindradas)  deverão estar habilitados a partir de 1º de novembro, conforme a nova resolução aprovada pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran). Entretanto, a determinação trouxe um impasse para as auto-escolas já que não há demanda para a nova categoria, a ACC (Autorização para Conduzir Ciclomotor).

 


Segundo o presidente do Sindicato dos Centros de Formação de Condutores de Veículos do Estado do Ceará (SINDCFCS-CE), Wellington Santos, os condutores das “cinquentinhas” são pessoas de baixa renda que não têm condições de tirar uma habilitação por não saber ler nem escrever, ou são adolescentes. Diante disso, para ele, torna-se difícil exigir desses condutores a autorização e o emplacamento. 

O presidente também enxerga outro fator que implica na obrigatoriedade da habilitação: o custo benefício da categoria ACC. Segundo ele, o condutor que tirar a habilitação para a categoria destinada a ciclomotores não estará regularizado para dirigir outros veículos de duas rodas. Por esse motivo, a tendência é que o público prefira a categoria A, que abrange tanto as “cinquentinhas” quanto motocicletas. 

“Quem anda nos ciclomotores são pessoas de baixa renda que não sabem ler nem escrever, ou então são adolescentes. E caso ele saiba ler, vai preferir tirar a habilitação de categoria A, pois é válida tanto para motos quanto para as ‘cinquentinhas’”, disse Wellignton Santos ao O POVO Online. 

 

“O condutor vai participar de todo o processo de formação que vai servir somente para a categoria ACC, ao contrário da categoria A, que abrange outros modelos de veículos, como os ciclomotores”, reiterou Wellington. O proprietário da autoescola Prime, Edson Junior, também fez o mesmo questionamento já que os preços para tirar ACC e CHNH de categoria A são próximos. “As autoescolas não têm demanda para essa categoria, principalmente para as autoescolas em bairros mais centrais. Além disso, qual consumidor vai preferir pagar por uma ACC se o preço é próximo da categoria A?”, questionou Edson.


Diante dessa situação, algumas autoescolas não vão adquirir “cinquentinhas” por falta de demanda. Entretanto, o Departamento Estadual de Trânsito (Detran), por meio de sua assessoria, disse que a empresa pode encaminhar o aluno para realizar as aulas práticas em outro centro de formação que tenha o veículo, caso surja um cliente à procura da categoria. Trata-se um compartilhamento do ciclomotor.


Por outro lado, o administrador da autoescola Modelo, Marcos Costa, acredita que a determinação do Contran pode impedir algumas irregularidades cometidas pelos condutores de "cinquentinhas" no trânsito a partir do momento em que irão receber formação. Caso o condutor desrespeite a nova lei, será aplicada uma multa no valor de R$ 880,41 e o veículo será apreendido.

 

“Eu concordo que os motoristas de ACC precisem de autorização para que aprendam a se comportar no trânsito. No dia a dia, a gente presencia muitas irregularidades”, disse Marcos, que citou a circulação de ciclomotores em rodovias estaduais e federais como exemplo.


O Contran disse ao O POVO Online, por meio de nota, que a obrigatoriedade da habilitação para condutores de ciclomotores visa "promover um trânsito mais seguro, criar mecanismos de fiscalização e resguardar a vida dos seus condutores e daqueles que convivem com tais condutores no trânsito"
TAGS