PUBLICIDADE
Notícias

Após retirar do ar, Facebook republica post de mãe sobre aceitação de filho trans

Mãe contou como lidou com a transexualidade do filho. Empresa explicou que a publicação violava as regras da comunidade da rede social, pois mostrava dados pessoais do garoto em documento de identidade

11:36 | 21/10/2016
NULL
NULL

[FOTO1]

O Facebook republicou a postagem de Norma Coeli, uma mãe que escreveu sobre a aceitação do filho transexual, no último dia 12. A postagem, que mostrava o documento de identidade com o novo nome do garoto, foi denunciada e acabou retirada do ar. No texto, Norma revela como lidou com a transexualidade de José Bernardo e como hoje a família, que é de Belém (PA), o reconhece enquanto homem.

“A verdade então, meus queridos, é que tenho um lindo e abençoado rapaz transgênero na minha vida. Muito amado por mim, por seu pai e seu irmão mais velho. Querido e respeitado por todos que o cercam, por ser uma pessoa inteligente, bom caráter e com um coração enorme. E que eu tenho muito orgulho de ter sido escolhida por Deus para o gerar, criar e educar. Sei o quanto ele é especial e o quanto vai fazer diferença no mundo daqui para a frente”, escreveu a mãe.

[VIDEO1]

Segundo a BBC Brasil, o Facebook informou que os posts de Norma violaram as regras de comunidade da rede social por conta da foto da carteira de identidade social de José Bernardo, na qual estão visíveis os dados pessoais do jovem. De acordo com a empresa, nenhum conteúdo é removido "proativamente" e, quando isso ocorre, é resultado de uma denúncia. O Facebook ainda disse que os dois posts de Norma seriam republicados, contudo, sem a foto.

"Manter a segurança das pessoas é a maior responsabilidade do Facebook, e por isso desenvolvemos Padrões de Comunidade que determinam o que é permitido ou não na nossa plataforma, incluindo a garantia de identidades autênticas e restringindo a publicação de informações pessoais sem consentimento", informou o comunicado da rede social à BBC Brasil.

Já Norma acredita que a denúncia partiu de algum "homofóbico ou transfóbico". "Infelizmente, ainda há muito preconceito no Brasil. Espero que meu relato não gere tamanha comoção e seja encarado apenas pelo que é: uma mensagem de amor de uma mãe para seu filho", concluiu.

Ela contou ter decidido escrever o post sobre José Bernardo %u2500 que escolheu o nome em homenagem ao avô %u2500 para "informar" a família, mas se surpreendeu com o tamanho da repercussão. “Foi um alívio e um susto. Mas, para além das curtidas e compartilhamentos, o mais importante foi que o post me propiciou ter contato com centenas de pessoas que passam por uma situação semelhante", avalia.

Redação O POVO Online

TAGS